Previdência privada a partir de R$ 30 é opção para dar um reforço na aposentadoria  - Notícias

Versão mobile

 

Olho no futuro29/08/2018 | 13h55

Previdência privada a partir de R$ 30 é opção para dar um reforço na aposentadoria 

A partir de R$ 30 por mês, é possível criar uma reserva complementar para a aposentadoria e não depender exclusivamente do INSS

Previdência privada a partir de R$ 30 é opção para dar um reforço na aposentadoria  Reprodução/Reprodução
Economistas sugerem começar a poupar o quanto antes Foto: Reprodução / Reprodução

Planos de previdência complementar não precisam ser, necessariamente, um produto de luxo. Opções acessíveis à população menos abastada ou jovens em início de carreira, com magras bolsas de estágio, possibilitam a formação de uma importante reserva para a aposentadoria. Simulação feita pela Brasilprev, braço de previdência do Banco do Brasil, mostra que quem consegue guardar R$ 200 por mês ao longo de 30 anos terá uma poupança de aposentadoria futura de R$ 126 mil, que poderá ser sacada de uma só vez ou fatiada em vários meses. Se for dividida por 20 anos, o rendimento mensal será de R$ 525,90.

Os maiores bancos do país oferecem aplicações por valores mínimos baixos, abrindo portas mesmo para quem não costuma ter muito dinheiro sobrando. No Santander, por exemplo, as aplicações mensais partem de R$ 30 e, caso o beneficiário aumente sua renda, poderá avaliar esticar a contribuição. Conforme Gilberto Abreu, diretor de Investimentos do Santander, o valor baixo possibilita que pessoas que contribuem pelo piso na previdência pública obtenham uma segunda fonte de renda na aposentadoria, por exemplo.

– Uma regra importante é que, quanto mais cedo a pessoa começar a poupar, mais cedo vai formar sua reserva de aposentadoria – afirma Abreu. 

Leia mais
Vale a pena trocar o plano de previdência privada?
Crise e reforma dão gás à previdência privada
Oito em cada 10 brasileiros não se preparam para a aposentadoria; veja como se planejar financeiramente

Uma das vantagens de guardar dinheiro em planos de previdência é criar a disciplina de poupar. Como os planos permitem pagamento no boleto ou em débito em conta, a contribuição se torna um compromisso como a conta de luz ou água, por exemplo. Não há, entretanto, obrigatoriedade de economizar nos meses de maior aperto, pois não incide multa ou juro. O reajuste do valor de contribuição de um ano para o outro dependerá do próprio poupador. 

— A pessoa pode acompanhar a evolução da sua reserva em relação às suas necessidades e eventuais alterações no padrão de vida, decorrentes, por exemplo, de crescimento profissional e formação de família. Nesses casos, deve avaliar se suas contribuições ainda são suficientes para realizar seus projetos — explica Marcelo Wagner, diretor financeiro da Brasilprev, que lançou neste mês o Brasilprev Fácil, focado em pessoas com renda mensal a partir de R$ 2 mil.

O educador financeiro Adriano Severo alerta que a escolha de um plano de previdência deve ser feita com análise atenta dos custos envolvidos e também do perfil de aplicação mais adequado para cada tipo de investidor. É possível, por exemplo, escolher aplicações cujo Imposto de Renda vai caindo ao longo do tempo, alternativa ideal para o poupador de longo prazo. 

— Também é preciso ficar atento às taxas de administração e carregamento e comparar rentabilidade de diferentes bancos, para avaliar qual a mais vantajosa — afirma Severo. 

8 regras do bom poupador

  1. Não saque antes do tempo: resista quando aparecer aquele aperto financeiro, lembre-se que a previdência complementar é sua garantia para um futuro mais confortável. Colocar a mão no dinheiro antes da hora pode gerar multas de saída e pagamento de mais imposto de renda (IR).
  2. Faça um aporte inicial: começar a previdência com uma pequena "bolada" tem um efeito multiplicador importante, com mais rendimento. Uma aplicação inicial de R$ 1 mil já é uma boa arrancada. 
  3. Faça aportes adicionais: aproveite recursos extras na conta para reforçar sua previdência complementar, não dependendo apenas dos aportes mensais. Restituição do imposto de renda, antecipação de 13º salário, pagamento de PIS/Pasep ajudam a engordar o saldo.
  4. Planeje a contribuição: calcule com cuidado o valor a ser guardado todo mês. Não pode ser uma quantia tão alta que fará falta no orçamento nem tão baixa que enfraqueça seu benefício futuro. 
  5. Comece cedo: quanto antes começar a guardar, menor será o gasto mensal. Economizar pouco, nem que seja 5% do salário, causa um efeito multiplicador na poupança, com juros rendendo sobre juros.
  6. Opte pelo regime regressivo: esta é a opção para quem está decidido a manter o dinheiro aplicado em prazo mais longo, e não como poupança. No regime de tributação regressiva, as alíquotas caem com o passar do tempo e chegam a 10% ao final de 10 anos.
  7. Escolha o VGBL: quem faz a declaração simplificada do imposto de renda tem mais vantagem contratando os planos de previdência VGBL, em que não há dedução das contribuições. O imposto de renda terá incidência apenas sobre a rentabilidade acumulada.
  8. Não abandone o INSS: se você é autônomo, não deixe de pagar o INSS. A previdência pública é garantia de cobertura financeira em caso de acidente do trabalho, doença ou afastamento por licença-maternidade, por exemplo.

Veja algumas simulações de previdência privada

Alguns planos acessíveis


BanrisulPrev (Banrisul)
Contribuição mínima mensal: R$ 100
Regras: acima de 36 meses de plano, não há cobrança de taxa de carregamento (um percentual cobrado sobre cada contribuição) no resgate. Há carência de 60 dias para resgate inicial.

PrevClassic 3 em 1 (Bradesco)
Contribuição mínima mensal:
R$ 79
Regras: é um plano de acumulação com garantia mínima de entregar ao participante, em dez anos, R$ 10 mil, sem risco de prejuízo. 

BrasilPrev Fácil (Banco do Brasil)
Contribuição mínima mensal: R$ 100
Regras: plano é isento de taxa de carregamento antecipada e permite que clientes realoquem seus recursos em diferentes fundos, a qualquer tempo e sem custos.

SantanderPrev (Santander)
Contribuição mínima mensal: R$ 30
Regras: na faixa de valor mais baixa, é cobrada uma taxa de administração de 2,5% sobre a aplicação, percentual que vai baixando conforme aumente o volume de operações, até chegar a 0,5%. 

Previdência Itaú (Itaú)
Contribuição mínima mensal: R$ 50
Regras: a aplicação inicial é de apenas R$ 1 e é possível fazer aplicações adicionais ou recalcular o valor de contribuição, conforme a preferência do cliente. 

A Caixa não enviou informações sobre seus planos de previdência populares. Os bancos acima são os maiores do país em administração de ativos, além do Banrisul, principal instituição financeira do Estado.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros