Hospital da Restinga inaugura bloco cirúrgico 50 meses após a abertura da instituição - Notícias

Versão mobile

 

Saúde11/09/2018 | 14h36Atualizada em 11/09/2018 | 18h39

Hospital da Restinga inaugura bloco cirúrgico 50 meses após a abertura da instituição

Mutirão de vasectomias foi realizado na manhã desta terça-feira. Onze homens foram atendidos

Hospital da Restinga inaugura bloco cirúrgico 50 meses após a abertura da instituição Tadeu Vilani/Agencia RBS
Equipe médica que executou os primeiros procedimentos no bloco cirúrgico do Hospital da Restinga Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Assim que a quarta filha do rodoviário Alexandro Gonçalves Viana, 27 anos, nasceu, há quatro meses, ele e a esposa, Taynê dos Santos, 26 anos, decidiram que a família não poderia aumentar mais. Encaminharam o pedido de vasectomia no Hospital Presidente Vargas, quando a bebê nasceu, e, na manhã desta terça-feira, ele executou o procedimento. Enquanto a família Viana Santos dava um passo importante para o planejamento familiar, o bloco cirúrgico do Hospital da Restinga e Extremo-Sul, em Porto Alegre, era utilizado pela primeira vez, 50 meses após sua inauguração, em 2014. 

Leia mais
Hospital Restinga troca de comando com meta de atender até 55 mil pacientes por mês
Novo gestor do Hospital da Restinga anuncia data de abertura da UTI e do bloco cirúrgico
Mutirão de vasectomias vai inaugurar bloco cirúrgico do Hospital da Restinga

Alexandro fez parte da primeira dupla de pacientes que abriram o mutirão de onze vasectomias realizado na manhã desta terça-feira (11), procedimentos que marcaram a abertura do bloco. A partir de agora, o espaço – composto por quatro salas de cirurgia mais uma de recuperação, com dez leitos – deve fazer 19 cirurgias por dia, em média. O presidente da Associação Hospitalar Vila Nova (AHVN), Dirceu Dal'Molin, afirma que, no local, serão realizadas operações de baixa e média complexidades, como lipomas, hérnias, vasectomia, vesícula e apendicite. Dirceu executou o primeiro procedimento da manhã e outros três cirurgiões fizeram os demais. 

300 cirurgias gerais e 80 urológicas por mês

Os homens atendidos nesta terça-feira estavam cadastradas para serem operados no Hospital Vila Nova. Com a abertura do bloco, todo o encaminhamento que antecede uma cirurgia _ consulta, exames e marcação do procedimento – poderão ser feitos dentro do hospital. Até o final de outubro, a meta da instituição é fazer 300 cirurgias gerais e 80 urológicas por mês.

Entre os equipamentos que integram as salas cirúrgicas do Hospital da Restinga, estão um Arco em C – um ecógrafo móvel para realização de ecografia durante o procedimento cirúrgico –, duas torres para cirurgia laparoscópica e dois carrinhos de parada cardíaca. 

Também iniciam nesta semana as consultas das especialidades do ambulatório – medicina interna, infectologia, traumatologia, cirurgia geral e urologia. No começo de outubro, está prevista a abertura dos dez leitos de UTI – com isso, o hospital passará a ter 111 leitos – e a realização de endoscopia digestiva. 

A Associação Hospitalar Vila Nova assumiu a gestão do Hospital da Restinga em 21 de agosto e terá R$ 3,4 milhões mensais – rateados entre a União, Estado e município – para administrar a instituição. Até o final do ano, quando tiver todos os serviços a pleno, o hospital deve passar de 25 mil para 55 mil atendimentos mensais. 

"Não vamos mais tentar ter o menino"

Enquanto aguardava para ingressar no bloco cirúrgico, Alexandro e Taynê – pais de Ágata, três anos, das gêmeas Laura e Lívia, um ano e onze meses, e da caçula Alana, quatro meses – comentavam que, inicialmente, planejavam ter apenas dois filhos:

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 11/09/2018 - Primeira cirurgia do bloco cirúrgico do Hospital da Restinga. Na foto - Alexandro Gonçalves Viana. (FOTOGRAFO: TADEU VILANI / AGENCIA RBS)
Alexandro antes do procedimentoFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

– Queríamos um casal. Tivemos a primeira menina e depois vieram duas gêmeas e, por último, mais uma menina. Não vamos mais tentar ter o menino – brinca a Taynê.

Chegaram a consultar preços para fazer o procedimento em clínica particular, mas desistiram ao verificar o valor. Da consulta até o procedimento, passaram-se quatro meses, idade da filha mais nova:

– Nunca fiz nenhuma cirurgia, estou um pouco apreensivo, mas feliz que é em um hospital novo e pelo SUS – conta o morador do Bairro Campo Novo, na zona sul de Porto Alegre. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 11/09/2018 - Primeira cirurgia do bloco cirúrgico do Hospital da Restinga. Na foto - Paulo César Rosa Silva, a filha Évilin e a esposa Luciana Oliveira Silva. (FOTOGRAFO: TADEU VILANI / AGENCIA RBS)
Paulo César, filha caçula e a esposaFoto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

O servidor estadual Paulo César Rosa Silva, 38 anos, também decidiu controlar o aumento da família e estava na sala de espera para fazer vasectomia. Pai de Érica, 10 anos, e Évilin, um ano e dois meses, decidiu pelo procedimento durante a gravidez da caçula.

– A questão é também econômica. O salário é baixo, só eu trabalho, não dá para ter mais filhos. Tenho consciência disso – conta.

Paulo solicitou o procedimento em um posto de saúde do Bairro Hípica, onde mora, em novembro do ano passado. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros