Museu de Porto Alegre guarda relíquias da Guerra dos Farrapos - Notícias

Versão mobile

 

Piquetchê do DG12/09/2018 | 07h00Atualizada em 12/09/2018 | 13h30

Museu de Porto Alegre guarda relíquias da Guerra dos Farrapos

Acervo do Museu Júlio de Castilhos reúne objetos centenários utilizados na Revolução Farroupilha

Museu de Porto Alegre guarda relíquias da Guerra dos Farrapos Tadeu Vilani / Agência RBS/Agência RBS
Itens centenários e obras de arte contam a história da Guerra dos Farrapos Foto: Tadeu Vilani / Agência RBS / Agência RBS
Carolina Lewis
Carolina Lewis

Já imaginou, sem precisar ir muito longe, viajar ao passado para um dos episódios mais importantes da história do Rio Grande do Sul? Em um casarão antigo da Rua Duque de Caxias, no Centro de Porto Alegre, é possível reviver com detalhes a Guerra dos Farrapos, a batalha mais longa da história do Brasil. 

O prédio onde morou e morreu o estadista Júlio de Castilhos foi transformado em museu em 1903 e leva o nome do líder republicano. Entre o acervo de 8 mil itens estão dezenas de objetos centenários utilizados pelos combatentes durante a Revolução Farroupilha. Em homenagem ao período, a exposição que reúne as relíquias e outras obras alusivas ao período foi ampliada no andar superior do museu. 

Leia mais:
Desfile farroupilha reúne tradicionalistas do extremo sul da Capital
Saiba mais sobre o tropeirismo, tema dos festejos farroupilhas deste ano   

Com marcas do tempo, armas, espadas, lanças e facas utilizadas pelos soldados durante a guerra conduzem a imaginação para os campos de batalhas. No entanto, os disparos de garrucha ou de espingarda não eram decisivos para a vitórias, pois essas armas eram muito pesadas e lentas. Conforme esclarece o historiador Gabriel Castello Costa, que trabalha há 10 anos no museu, o combate era muito mais decidido por no "mano a mano" do que pegando em armas.

— Se deu muito menos tiro do que a gente pensa. Os farroupilhas obtiveram muitas vitórias no início da guerra porque tinham muitos soldados a cavalo e isso era vantajoso no confronto físico — justifica. 

Museu Julio de Castilhos
Bandeirola pertenceu à tropa imperialFoto: Tadeu Vilani / Agência RBS

Um detalhe interessante é que as espadas utilizadas pelos farroupilhas possuíam o símbolo da monarquia. Isso porque, as tropas revolucionárias eram formadas por soldados militares do Império que tinham recebido da coroa grandes lotes de terra para que, em contrapartida, defendessem as fronteiras. 

Bordado minuciosamente na bandeirola utilizada pela tropa imperial, o lema "Legalidade ou Morte" revela que, para o Império, a revolução era considerada fora da lei. Mas no lenço de seda farroupilha, as palavras de ordem "igualdade, liberdade e humanidade", escritas sobre o brasão, revelam a bravura dos revolucionários.

A exposição também conta com obras de arte que remetem ao período, como uma pintura a óleo de Gomes Jardim, e outra que reproduz a casa do herói farroupilha na cidade de Guaíba. 

Museu Julio de castilhos
Canhões só foram encontrados no município de Camaquã centenas de anos após o término da guerraFoto: Tadeu Vilani / Agência RBS

Mas é no pátio localizado nos fundos do museu que o cenário de guerra realmente toma forma. Lá estão três canhões utilizados durante a Guerra dos Farrapos, encontrados em uma zona de banhado na cidade de Camaquã centenas de anos após o fim dos combates. 

Com a expansão, a exposição ganhou algumas peças interativas. Entre elas, um mapa que, com a ajuda de luzes coloridas, mostra a movimentação das tropas farroupilhas em direção ao oeste do território gaúcho. Durante os dez anos de combate, a capital farroupilha mudou três vezes de lugar, seguindo a direção das forças armadas. Primeiro Piratini, depois Caçapava e, por último, Alegrete.

— À medida que o tempo foi passando, os farroupilhas foram se enfraquecendo economicamente. Então, ao invés de manterem uma guerra com grandes contingentes militares, eles tinham que atacar rapidamente e recuar para conseguirem manter o máximo de tempo possível uma guerra contra o Império do Brasil, que tinha muito mais homens — explica Gabriel.

Museu Julio de Castilhos
Mapa interativo mostra a movimentação das tropas farrapas ao longo do território gaúchoFoto: Tadeu Vilani / Agência RBS

Outro objeto que permite a interação dos visitantes é um totem pintado à mão pela própria diretora do Museu Júlio de Castilhos, Gabriela Côrrea da Silva, que também é artista plástica. Nele é possível fazer a combinação entre três partes de cada um dos quatro personagens que ali estão retratados: o soldado imperial, o soldado farroupilha, o lanceiro negro e a mulher. 

Visite!
Museu Júlio de Castilhos
Endereço: Rua Duque de Caxias, 1.205, Centro Histórico, Porto Alegre
Horário: de terça-feira a sábado, das 10h às 17h
Quanto: entrada gratuita


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros