Cris Silva estreia "Lá em casa", sua nova coluna no Diário Gaúcho - Notícias

Versão mobile

 

Novidade12/10/2018 | 11h08Atualizada em 12/10/2018 | 11h08

Cris Silva estreia "Lá em casa", sua nova coluna no Diário Gaúcho

A partir de hoje, todas as sextas-feiras você vai conferir as experiências da Cris como mãe do Matheus, oito meses, esposa do Paulo e madrasta do Arthur e do João Pedro

O texto abaixo é o de estreia da coluna Lá em Casa por Cris Silva, novo espaço da comunicadora no Diário Gaúcho. A partir de hoje, todas as sextas-feiras você vai conferir as experiências da Cris como mãe do Matheus, oito meses, esposa do Paulo e madrasta do Arthur e do João Pedro. Além de histórias inspiradoras e dicas sobre família, maternidade, rotina e muito mais. Além do jornal, a coluna estará em programetes ao longo da programação da Rádio 92. Aproveite! 

Foto:

Esses dias, minha mãe me visitou e lembrou de quando eu dizia: "Quando crescer, serei mãe de três meninos!". Não me perguntem o porquê, eu tinha 10 anos. Mas era o que eu dizia. Assim como falava que queria ser atriz, ter um coelho e uma casinha de madeira. 

O fato é que cresci, me formei em Jornalismo, saí de Pelotas e vim trabalhar no Grupo RBS, na Capital. Foi aqui que conheci o músico e radialista Paulo Inchauspe, hoje meu marido e pai do Matheus, oito meses. 

Paulo, além do Teteu, tem dois filhos do primeiro casamento: o Tuti e o Jones (Arthur, 11 anos, e João Pedro, 15). Nossa união já dura oito anos. 

Tudo faz sentido 

Foi com o nascimento do Matheus que nasceu também outra mulher. Quem é mãe sabe do que estou falando... e aqui não quero me referir a ser melhor ou pior. Ser mãe ou pai nos torna "outra coisa". No meu caso, me sinto melhor, muito mais feliz e, aos 39 anos, na minha melhor versão. Parece que tudo agora faz sentido. Inclusive, quando "profeticamente" eu dizia "vou ser mãe de três". 

Eu, o Paulo, os meninos e o nosso mascote, Fito (um yorkshire), formamos uma família que elegeu o amor e o respeito como sustentação. Os filhos do Paulo enchem nossa casa de vida, de gírias, de novidades e de gritos em dias de jogos — são todos gremistas, exceto a mamãe aqui e o Teteu, que ainda não se manifestou (risos).

Assim como toda família, temos desafios, momentos difíceis e outros que transbordam alegria. Esse espaço aqui no DG foi pensado para trocar experiências. Ter a chance de dividir, aprender e trocar ideias vai ser incrível. Uma das coisas que mais gosto é conhecer pessoas e histórias. Aqui, vai ser possível. Quero saber como é na casa de vocês. Lá em casa, é assim. Até a próxima! 

Lugar de cada um 

Turma unida e cheia de amorFoto: Omar Freitas / Agência RBS

Aqui vale um registro: eu e os filhos do Paulo nos damos muito bem. Conversamos sobre tudo. Escuto muito e falo bem pouco. Conselhos? Só se pedirem. Opiniões? Se eu achar que não vai atrapalhar nem polemizar. Tudo em nome de algo importante: o respeito à mãe deles e à consciência que tenho do lugar que ocupo. 

Esse é um assunto que vou tratar futuramente por aqui, mas já adianto o que penso: eles têm mãe e pai, eu cheguei depois e respeito a história que eles tiveram. Estarei sempre pronta para ouvir, abraçar, dar risada e conversar com os meninos. Mas acho fundamental a gente saber o lugar que ocupa. Nunca tentar preencher o lugar da mãe ou do pai. Dou suporte, converso com o Paulo quando tem alguma situação, mas sei até onde posso ir. 

A regra é simples: as decisões sobre a vida do João e do Tuti cabem ao pai e à mãe. Minha parte é apoiar e dar carinho. Sou apaixonada por criança. Se Deus me deu de presente o convívio com eles, eu só tenho a agradecer. 

InspirAção

Taiane e sua obraFoto: Divulgação

Hoje, Dia das Crianças, quero apresentar para vocês o livro Três Céus — Uma História de Luta, Amor e Saudade. A médica Taiane Bonorino conta a rotina de sua família durante o tratamento contra o câncer de seu filho Renato, um ano e meio.

A ideia inicial era registrar o período de tratamento para relembrar após a cura. Infelizmente, o Tato (apelido dele) faleceu. Os textos viraram um livro que foi impresso com os recursos da família. Toda a renda da venda da primeira edição foi doada para o Instituto do Câncer Infantil, em Porto Alegre.

A segunda edição já está à venda. No dia 18, a Taiane vai autografar a segunda edição do livro. Será das 18h às 20h30min, no Bistrô do Solar (Praça Marechal Deodoro, 148 — Centro Histórico, na Capital).

Participe da coluna

— Para sugerir temas e deixar sua opinião manda e-mail pra mim no endereço cristiane.silva@gruporbs.com.br.
— Me acompanhe também no Instagram.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros