Esgoto entupido gera mau cheiro para moradores da Vila Farrapos, em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso03/10/2018 | 09h33Atualizada em 03/10/2018 | 09h33

Esgoto entupido gera mau cheiro para moradores da Vila Farrapos, em Porto Alegre

Uma vala foi aberta para auxiliar na vazão do esgoto, e os moradores tem limpado algumas bocas de lobo - que deveriam receber somente esgoto pluvial - por conta própria

Esgoto entupido gera mau cheiro para moradores da Vila Farrapos, em Porto Alegre Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Sem escoamento durante a chuva de segunda-feira Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Circular pela calçada na Rua Selma de Oliveira, na Vila Farrapos, Capital, tornou- se um desafio para os pedestres. Isso porque, há cerca de cinco meses, a rede de esgoto cloacal entupiu.

Leia mais
Idosa aguarda há 10 anos por cirurgia, em Porto Alegre
Amigos organizam apresentações musicais para ajudar colega no tratamento de tumor
Avenida com poste no asfalto é sinalizada depois de reportagem do Diário

Com o fluxo dos dejetos e a obstrução, a água suja começou a extravasar, causando "um cheiro insuportável", como classifica a técnica de enfermagem Karina de Abreu Goulart, 40 anos, moradora do bairro há seis anos. 

— Aqui na Zona Norte, estamos acostumados com alagamentos, sempre que chove mais forte. Agora, além disso, temos esse esgoto sujando toda a rua e deixando esse cheiro horrível — reclama. 

O medo da moradora é de que a água comece a entrar na residência, principalmente quando chove mais forte, como ocorreu nesta segunda-feira. Segundo a técnica de enfermagem, os bueiros ficam praticamente durante todo o tempo despejando dejetos na calçada e na via. 

Protocolos 

Desde que o problema começou, Karina garante que outros moradores têm feito contato com o Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae), registrando protocolos através do telefone 156.

Porém, ela foi surpreendida ao tentar fazer a reclamação do caso no sistema de atendimento da prefeitura. 

— O atendente informou que eu não poderia registrar protocolo, por que já tinham outros protocolos daquela rua. Só que o problema se estende por vários números, como eu não posso reclamar? — questiona Karina.

Agora, enquanto aguardam respostas, a técnica de enfermagem e os vizinhos fizeram consertos paliativos no local. Uma vala foi aberta para auxiliar na vazão do esgoto, e os moradores tem limpado algumas bocas de lobo — que deveriam receber somente esgoto pluvial — por conta própria. 

Moradores abriram valaFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Dmae fará nova vistoria nesta semana 

Procurado pela reportagem, o Dmae se posicionou por meio de nota. Conforme o órgão, a situação da Rua Selma de Oliveira é comum naquela região por ser uma "área mais baixa" da cidade. 

O Dmae explica que ocorreram infiltrações da água de chuva nas canalizações cloacais, carregando também detritos, "causando entupimentos e prejuízo tanto nos sistemas de drenagem, quanto na condução dos esgotos, resultando na vazão pelas vias". Garantiu ainda que faz vistoria de todos os protocolos registrados pela população e que os atendimentos naquela via estão programados para ocorrer ainda nesta semana.

Questionado sobre a existência de um limite de registros de protocolo para um mesmo problema, o Dmae não respondeu.

*Produção: Alberi Neto

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros