Manoel Soares e o ET que fugiu - Notícias

Versão mobile

 

Papo Reto20/10/2018 | 08h00Atualizada em 20/10/2018 | 08h00

Manoel Soares e o ET que fugiu

Colunista imagina o que um extraterrestre pensaria sobre nossa sociedade atual

Manoel Soares e o ET que fugiu Lauro Alves/Agencia RBS
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Ontem, quando pousava no aeroporto em Porto Alegre, tive a impressão de que uma nave alienígena estava entre as nuvens. Em um piscar de olhos, o objeto sumiu, fiquei olhando fixamente e, para minha tristeza, não vi mais nada. Depois, me coloquei no lugar do ET e comecei a tentar entender esse mundo doido. Bandidos matam por velar vagabundo, famílias brigam por causa de divergências políticas, as mesmas divergências que fazem mestres de capoeira e transexuais serem assassinados. 

Bandidos matam por nada. A polícia, volta e meia, é tratada como gari social, que precisa tirar o que a sociedade chama de lixo das ruas e, quando faz o que pedem, dizem que fez errado. Se eu fosse o ET, também daria meia-volta e buscaria outro planeta. 

Leia mais colunas de Manoel Soares

Afinal, se as pessoas que têm pele marrom ou preta já sofrem racismo, imagina ele, que tem pele verde? Se disser que é vítima, a situação piora, tem que apanhar calado e rir. E não adianta tentar criar o direito dos ETs, não vai colar: se os humanos não aceitam os direitos humanos, vão trucidar quem propor direito de outras espécies. 

Se eu pudesse mandar um Whats para o ET, diria que ele deve vir na pele de um cachorrinho, porque quem defende cachorrinho teve mais voto nas últimas eleições do que quem defende crianças. Queria muito conhecer o ET, mas, levando em conta como a terra está bagunçada, entendo ele ter metido o pé.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros