TCE pede informações sobre o déficit de professores na rede municipal de Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Educação21/11/2018 | 18h24Atualizada em 21/11/2018 | 18h24

TCE pede informações sobre o déficit de professores na rede municipal de Porto Alegre

Tribunal também quer saber se a prefeitura tem plano de ações para evitar faltas de profissionais em 2019

Motivado por reportagens que denunciaram a rotina de uma escola da Restinga que estava sem professores de português e matemática até outubro deste ano, o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS) pediu à prefeitura de Porto Alegre informações sobre falta de docentes em toda rede municipal. 

Leia mais
Alunos de escola municipal de Porto Alegre ainda não tiveram aulas de português e matemática neste ano
Alunos de escola da Restinga, em Porto Alegre, completam 26 semanas de cadernos vazios
MP pede contratação emergencial de 19 professores para escola municipal da Restinga

O TCE requisitou o número do déficit de professores por área e disciplina de cada escola municipal da Capital, quais providências em execução para resolver as faltas e, por último, qual o plano ação para que situações como a da Escola Municipal Carlos Pessoa de Brum não se repitam em 2019. A iniciativa é do relator das contas do Executivo em 2018, conselheiro Cezar Miola.

A situação da Escola Carlos de Brum tornou-se emblemática sobre o problema da falta de professores na rede municipal de Porto Alegre. A partir do final de agosto, uma série de reportagens feita pelo Diário Gaúcho mostrou que 60 alunos do 6º ano estavam sem aulas de matemática desde o começo do ano e outros 180 alunos dos 7º e 8º anos não tinham aulas de português. 

Ao todo, a escola de 1.350 alunos passava dos cem dias letivos com falta de 19 professores na grade curricular. Além de português e matemática, faltavam professores das séries iniciais (do 1º ao 5º ano), de filosofia, geografia, artes e língua estrangeira, além de supervisor, coordenadores de turno e professores para o laboratório de aprendizagem.

Leia mais
Após sete meses de ano letivo, o primeiro dia de aula de português para 60 alunos da Restinga
Na trigésima semana de aula, professores de português e matemática assumem turmas em escola municipal da Restinga

O problema só começou a ser resolvido em 9 outubro, com quase sete meses de aula já transcorridos, quando parte das turmas começou a ser atendida. Na data, um professor de matemática e uma de português, realocados dentro da própria escola, começaram a atender a maior parte dos alunos ainda sem as disciplinas. Em 22 de outubro, a última professora que faltava chegou para dar português para 60 alunos do 8º ano

O prazo para o encaminhamento das informações por parte da prefeitura termina no dia 28 de novembro. A partir dos dados apresentados, o TCE pode vir a tomar novas decisões a respeito.

Na decisão, o relator Cezar Miola destaca que "a Constituição Brasileira instituiu importantes garantias em relação ao direito fundamental à educação _ obrigatória e gratuita dos quatros aos dezessete anos". E, segundo a lei, o acesso à educação constitui direito público subjetivo e, "o não oferecimento do ensino obrigatório pelo Poder Público, ou sua oferta irregular, importa responsabilidade da autoridade competente". 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros