Magali Moraes e mais histórias de leitores: a fantasia do Noel - Notícias

Vers?o mobile

 

Coluna da Maga11/12/2018 | 17h47Atualizada em 11/12/2018 | 17h47

Magali Moraes e mais histórias de leitores: a fantasia do Noel

Colunista escreve às segundas, quartas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes e mais histórias de leitores: a fantasia do Noel Miguel Neves/Divulgação
Foto: Miguel Neves / Divulgação

A coluna de hoje é um guia prático pra se vestir de Noel. Achei que precisava ajudar. Lembra da filha da Chris, que reconheceu o pai fantasiado por causa do relógio? Não foi a única. A Deisi Lanes contou do sobrinho, que descobriu a identidade do Noel pelas botas. Eram iguais às que o pai do menino usava! Dica de ouro: não use nada do próprio guarda-roupa. Peça até cueca emprestada. Cubra as marcas de nascença e tatuagens. E eu achando que o problema era só puxar a barba falsa.

Uma dica boa é confundir a torcida. Se um gremista doente se fantasiar de Noel, ninguém vai imaginar ele de vermelho! Falando em confundir, a Deisi voltou no tempo. Ela era pequeninha e, naquele ano, os maiores desconfiaram do Noel. Pra manter sua identidade secreta, o adulto que sempre se fantasiava trocou de lugar com o irmão. Quando as crianças falaram "Eu sei quem é!" pro irmão fantasiado de Noel, o outro entrou na sala. Que baita susto!! Teve correria, grito, choradeira e a Deisi até desmaiou. 

Leia mais colunas da Maga

Crachá

Se for festa da firma, o risco é o mesmo de ser pego. Escondam o crachá! O Sérgio Cardoso lembrou da vez em que os colegas da manutenção escolheram o Valdir pra bancar o Noel. Era confraternização com as famílias, e a criançada estava curiosa ao redor do Bom Velhinho. Tudo ia bem até ele abrir a boca. "É o Valdir! É o Valdir!" Sem entender o motivo da descoberta, o coitado perguntou: "Como como que que tu tu des descobriu?" O Valdir era gago! Deveria ter fingido que estava sem voz por causa do frio no Polo Norte.

Eu admiro quem topa se vestir de Noel. Parabéns!! É só cuidar pra preservar a fantasia das crianças. Usar perfume marcante? Não. Encarnar o personagem e guardar segredo? Sim. O Sérgio contou (todo orgulhoso) de quando bancou o Noel e sua filhinha nem percebeu. Sentou no colo, deu beijo, fez foto e prometeu largar o bico. Ela só descobriu quando já era adolescente. Alguém tem mais histórias de Natal pra me contar?       


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros