Imposto de Renda 2019: bancos já oferecem antecipação dos valores da restituição - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu dinheiro13/03/2019 | 13h54Atualizada em 13/03/2019 | 17h10

Imposto de Renda 2019: bancos já oferecem antecipação dos valores da restituição

Instituições financeiras podem conceder o crédito aos clientes que não querem esperar pelos prazos da Receita Federal. Veja por que opção deve ser avaliada com cautela

Imposto de Renda 2019: bancos já oferecem antecipação dos valores da restituição Genaro Joner/Agencia RBS
Taxas dos principais bancos partem de 1,79% ao mês Foto: Genaro Joner / Agencia RBS

O prazo para a entrega da declaração do Imposto de Renda 2019 não completou uma semana (vai até 30 de abril), mas os principais bancos do país já fazem uma oferta tentadora aos clientes: antecipar os valores da restituição. Para os correntistas das instituições financeiras, é a chance de botar no bolso, imediatamente, uma quantia que somente chegaria entre junho e dezembro.

O que precisa ficar claro para os contribuintes é de que se trata de uma venda de dinheiro: o banco oferece a quantia e, depois, pega esta de volta com juros e taxas que variam de acordo com o perfil do cliente. Para os bancos, a transação não oferece riscos: como a restituição do IR é depositada diretamente na conta, há garantia de que o dinheiro será devolvido. Mas para quem usa a modalidade, é preciso levar mais fatores em conta.  

Leia mais
Como declarar o imposto de renda 2019: confira o passo a passo completo
Imposto de Renda 2019: por que é preciso pagar, quem é isento e outras respostas sobre o tributo
O que pode acontecer se você mentir no Imposto de Renda?

— Ao utilizar essa linha de crédito, os contribuintes, além de mostrarem falta de educação financeira, também podem perder rendimento. Muito cuidado nessa hora. É por isso que entregar a declaração logo no início é recomendável pelo fato de ter mais chance de receber logo nos primeiros lotes — analisa o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos.

Em razão disso, a antecipação só vale a pena para os contribuintes que estão realmente precisando com urgência do dinheiro. Para quem está endividado e pagando taxas mais altas de juros do que as oferecidas pelos bancos, a antecipação para quitar dívidas é um bom negócio. Fora isso, não é muito vantajoso.

Banco pode ficar com dinheiro da conta

Caso a restituição venha menor do que a indicada na declaração – ou fique retida pela Receita Federal –, a instituição financeira vai tirar o dinheiro do limite da conta do cliente. Nesse caso, uma dívida barata, de juros a partir de 1,79% ao mês (veja as linhas de cada banco abaixo), transforma-se em uma das mais caras do mercado, a do cheque especial — média de 11,74% no mês de junho, segundo levantamento da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac).

As taxas para antecipação dos bancos*

Caixa Federal

  • Taxa de juros a partir de 2,10% ao mês
  • O limite de crédito disponibilizado ao cliente é de até 75% do valor da restituição

Bradesco

  • Juros a partir de 1,79 % ao mês
  • Os clientes poderão antecipar até 100% do valor de sua restituição

Santander

  • As taxas são a partir de de 3,69% ao mês
  • É possível receber até 100% do valor da restituição

Itaú

  • Taxas a partir de 1,90% ao mês
  • Os clientes poderão antecipar até 100% do valor de sua restituição

Banco do Brasil

  • Taxas a partir de 1,79% ao mês
  • É possível antecipar até 100% do valor a ser restituído

Banrisul

  • Não deu retorno até o momento da publicação desta reportagem

* À exceção do Banrisul, que é do Rio Grande do Sul, estes são os bancos com maior número de clientes no sistema financeiro nacional, conforme o Banco Central.

Para evitar a armadilha das antecipações

O que é a antecipação

  • Possibilidade de receber de forma imediata a restituição do Imposto de Renda
  • A quantia que pode ser antecipada é definida conforme o banco. No geral, antecipam a partir de 70% do valor da restituição. Mas podem antecipar 100% dos respectivos valores
  • Não é diferente de um empréstimo. Quando o valor integral entrar na conta, o banco pega de volta o que emprestou com juros e taxas

Quais as vantagens

  • A liberação é rápida. O dinheiro é creditado diretamente na conta corrente
  • Possibilidade de utilizar um dinheiro que só receberia na data da restituição

Quais as  desvantagens

  • Perde-se dinheiro porque é preciso pagar juros e taxas.
  • O valor do empréstimo será debitado mesmo se, por algum erro na declaração, o valor a ser devolvido pela Receita for menor. Ou seja, antecipar a restituição é mais arriscado e exige uma declaração de IR perfeita.

Quando avaliar a possibilidade

  • Só é um bom negócio se o valor da antecipação quitar a dívida do cheque especial ou do cartão de crédito.
  • Neste caso, os juros da antecipação são menores do que os do cartão de crédito e do cheque especial (os mais altos do mercado).
  • Mas para quitar uma dívida junto ao próprio banco, deve-se barganhar mais vantagens, como redução dos juros da dívida principal ou um abatimento no saldo devedor.
  • Taxas muito acima de 1,5% ao mês começam a tornar a operação um mau negócio, fique atento.
  • Uma emergência de saúde ou pagamento de dívidas que geram penalidade saem dessa lógica e podem ser motivos.

Qual taxa de juros é cobrada

  • Cada instituição trabalha com uma taxa de juros e outras tarifas. 
  • Quem tem conta há pouco tempo paga mais juros, porque o banco considera maior o risco de inadimplência.
  • Aquele cliente mais antigo e que nunca fica no negativo paga menos juros.

De olho no Custo Efetivo Total 

  • O dado mais importante que o cliente precisa saber quando for à agência bancária é o Custo Efetivo Total (CET).
  • O CET é o total de encargos a serem pagos pelo cliente na operação.
  • É expresso em forma de percentual e inclui as taxas de juros, tributos, tarifas, gravames, IOF, registros, seguros e demais despesas.
  • Todas as instituições financeiras devem informar qual é o CET na efetivação de um contrato.

Fontes: Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac) e Instituto DSOP

Confira neste link mais conteúdo produzido por GaúchaZH sobre o Imposto de Renda

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros