Magali Moraes e a lista perdida - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Coluna da Maga28/04/2019 | 09h59Atualizada em 28/04/2019 | 09h59

Magali Moraes e a lista perdida

Colunista escreve às segundas, quartas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes e a lista perdida Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Ir no supermercado sábado de tarde já é chato o suficiente. Sim, eu poderia ter ido durante a semana pra não deixar essa herança maldita pra mim mesma. Culpa da vida corrida. O fato é que me preparei pro momento ser rápido e objetivo. Fiz uma lista bem completa. Porque se existe algo pior do que esse programão no sábado é chegar em casa com as compras e lembrar de algo que faltou. Então caprichei e agrupei os produtos já pensando na ordem dos corredores do súper.

Tudo ia bem. Eu e minha lista na mão, riscando mentalmente cada item arremessado no carrinho. Sem caneta pra agilizar a coisa. Sem encontrar conhecidos pra não ter distração. Passei reto pelo corredor dos chocolates. Comparei preços como se fosse uma ninja. No corredor da limpeza, deslizei como se estivesse de patins. E a lista na mão, cada vez menor. Eu até rasguei um pedaço dela pra me livrar do que já tinha comprado. Truque motivacional, sabe? Sinal de missão quase cumprida.

Leia mais colunas da Maga

Sumidouro

O que aconteceu? A lista ficou tão pequena que a perdi. Foi na parte do súper que é um sumidouro: a sessão de frutas e verduras. A gente perde marido ali. Perde carrinho. Perde as melhores alfaces se chega tarde. Perde a lista de compras. E perde a memória também. Em meio a batatas e cebolas, eu me perguntava: o que mais estava escrito na maldita lista?! Faltava o que mesmo? Que pepino. Era cenoura ou couve? Uma lista do tamanho de tomate-cereja só pode dar nisso. 

Tentei fazer a única manobra possível nessa hora: ir voltando e procurando pelo chão. Mas ela podia ter caído em qualquer lugar. Até no carrinho de alguém. Quantas listas são perdidas por dia num súper? Segui sem lista e sem saber o que comprar. Quando cheguei no caixa, mais uma perda: a etiqueta com o preço do melão. Cadê?! Ela estava ali!! Grudou em outra coisa. Respira fundo. Volta lá e pesa de novo. Pior é o pessoal da fila nos tirar pra moscão. E o que é um pedaço de sábado perdido, né? 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros