A trajetória da ex-aluna de cursinho popular que hoje dá aula no mesmo projeto - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Caminhos do aprendizado06/05/2019 | 07h00Atualizada em 06/05/2019 | 07h00

A trajetória da ex-aluna de cursinho popular que hoje dá aula no mesmo projeto

Após entrar na UFRGS com ajuda de cursinho popular da Capital, Paola agora dá aulaspara outros futuros universitários

A trajetória da ex-aluna de cursinho popular que hoje dá aula no mesmo projeto Omar Freitas/Agencia RBS
Os alunos sabem que a professora já esteve no lugar deles, e isso é capaz de inspirá-los Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Poucas coisas deixam Paola Borges, hoje com 21 anos, tão feliz como encontrar ex-alunos do Resgate Popular pelos corredores da UFRGS. Atualmente aluna do curso de Licenciatura em Biologia na universidade, a moradora do bairro Navegantes, zona norte de Porto Alegre, entrou no Ensino Superior após passar pela iniciativa, que oferece cursinho pré-vestibular popular desde 2002. 

Leia mais:
Casa do Estudante mais antiga da Capital está ameaçada 
Ex-secretário diz que "não faz sentido" manter casa do estudante mais antiga da Capital

Este ano, o Diário Gaúcho acompanha a turma que se prepara para o Enem (que tem inscrições começando nesta segunda-feira, veja abaixo) e vestibulares, em uma série de reportagens batizada de Caminhos do Aprendizado.

Em 2018, Paola entrou para o time de professores voluntários como plantão – profissional que oferece atendimentos aos alunos em uma certa disciplina, para tirar dúvidas e ajudar em conteúdos específicos. Nesta experiência, teve a oportunidade de conhecer de perto histórias de estudantes.

– Na época do plantão, eu sentava com eles, conversava. Ouvia muito os alunos. Alguns deles já tinham estudado em outros anos e estavam tentando mais uma vez. É muito bom encontrar com eles na UFRGS – conta ela.

Desde março, Paola passou a ser professora efetiva do Resgate. Todas as sextas-feiras, ela ministra um período de Biologia para a turma que fará vestibular e Enem neste ano. A ideia de ser voluntária uniu dois aspectos importantes para a estudante. O primeiro é poder, ainda na faculdade, exercer sua profissão.

 Leia outras notícias do Diário Gaúcho 

– Eu decidi estudar licenciatura porque acho a profissão de professor incrível. Então, já queria estar em um ambiente onde pudesse dar aulas, para saber como é. Quando vi que o Resgate precisava de voluntários em Biologia, achei ótimo – conta ela, que também dá aulas semanais em outro cursinho popular em Porto Alegre.

Outra questão é poder ajudar outras pessoas a chegar onde ela já chegou:

– Queria dar algo de volta, mostrar o quanto este projeto mudou a minha vida e fazer parte dele, de alguma forma. O Resgate tem um papel social muito importante. Discute temas como racismo, cotas e muitos outros. Faz a gente mudar a visão de mundo. 

Foi um marco na minha vida.

Exemplo a ser seguido

Os alunos, é claro, sabem que a profe já esteve no lugar deles. A presença dela é capaz de inspirar os outros, mas Paola prefere pensar diferente:

– Acho exemplo uma palavra muito forte. Mas vejo que eu dou força para o que eles buscam. Eles me olham e percebem que é possível, pois eu estava lá e, agora, estou na universidade.

Quem ouve Paola falando sobre a sua profissão pode pensar que ela sempre quis dar aulas. Mas a história não foi essa. Apaixonada por animais quando criança, ela iniciou o pré-vestibular com o objetivo de cursar Medicina Veterinária. 

Ao longo do ano, porém, passou a estudar a fundo cada profissão, suas áreas de atuação, de estudos e possibilidades de trabalho.

– Os professores insistem nisso, e é realmente importante. Paralelo a isso, também me apaixonei pela Biologia em função das aulas de um dos meus professores da época, o Bruno. Ele era o meu padrinho no Resgate, me ensinou muito e decidi fazer o curso que faço hoje muito em função dele. Foi uma inspiração – afirma Paola.

Rotina puxada com recompensa

Aluna de escola pública, Paola começou a trabalhar no último ano do Ensino Médio. No mesmo ano, tentou o vestibular pela primeira vez, mas não passou. No ano seguinte, conseguiu a vaga no cursinho.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL,12/04/2019: Paola Borges, que foi aluna do cursinho pré-vestibular Resgate Popular e, atualmente, é voluntária do projeto . (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)
Paola teve rotina muito puxada para conseguir entrar na UniversidadeFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

– Eu segui trabalhando como auxiliar fiscal em uma imobiliária. Saía de casa às 7h30min e voltava só depois da aula, por volta das 23h30min. A rotina era bem puxada – conta.

Para os estudos em casa, restavam apenas os finais de semana. Naquele ano, Paola fez Enem e  vestibular na UFRGS.

– No Enem não fui tão bem. Mas consegui entrar pelo vestibular. Eu já havia feito antes, mas o ensino público não prepara para uma prova como aquela. Depois do Resgate, passei a ter outro pensamento. Eu conhecia não apenas os conteúdos, mas a dinâmica da prova.

Ver o nome no listão foi uma emoção tão grande que Paola demora alguns segundos para falar sobre o momento:

– Eu mal tenho palavras. O mundo parou. Eu não estava acreditando que aquilo era real, que meu sonho estava se realizando.

Inscrições para o Enem iniciam nesta segunda

Começa nesta segunda-feira (6) o prazo para os estudantes garantirem uma vaga na disputa do Enem 2019. A inscrição é feita exclusivamente pelo endereço do exame na internet. Os interessados devem acessar o sistema até 17 de maio e, se não forem do grupo de isentos, pagar a taxa de inscrição no período até 23 de maio.

Para realizar a inscrição, o participante deverá informar corretamente o número de seu CPF e sua data de nascimento em consonância com os dados cadastrados na Receita Federal, para não inviabilizar a correspondência de informações. Recomenda-se, portanto, verificação dessas informações pessoais na Receita antes de efetuar a inscrição ao Enem.

O que o candidato precisa:

— Informar um endereço de e-mail único e válido, e número de telefone fixo ou celular válidos.

— Solicitar, se necessário, atendimento especializado, específico e/ou pelo nome social.

— Indicar o município onde deseja realizar a prova.

— Selecionar a língua estrangeira (inglês ou espanhol) que realizará a prova.

— Criar uma senha de acesso ao sistema.

— O número de inscrição gerado e a senha cadastrada deverão ser anotados em local seguro, pois serão utilizados para acompanhamento de inscrição, consulta ao Cartão de Confirmação da Inscrição, acesso aos resultados e inscrição nos programas do Ministério da Educação. 

— A senha é pessoal, intransferível e de responsabilidade do participante.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros