De creches a postos de saúde: 20 obras públicas que já consumiram R$ 15 milhões e estão paradas na Região Metropolitana - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Retratos do desperdício28/05/2019 | 05h00Atualizada em 28/05/2019 | 05h00

De creches a postos de saúde: 20 obras públicas que já consumiram R$ 15 milhões e estão paradas na Região Metropolitana

Há casos em que abandono da construção ocorreu quase no final do empreendimento

De creches a postos de saúde: 20 obras públicas que já consumiram R$ 15 milhões e estão paradas na Região Metropolitana Omar Freitas/Agencia RBS
Quase R$ 600 mil foram investidos na Instituição de Educação Infantil Moradas da Hípica, que poderia atender 166 crianças Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Vinte obras públicas inacabadas em Porto Alegre e na Região Metropolitana já tiveram R$ 14,9 milhões investidos sem que nunca chegassem ao fim. Recurso federal, estadual e municipal que foi do nada a lugar algum. Prédios que deveriam atender a população oferecendo saúde, educação, cultura e esporte estão abandonados, erguidos em terrenos tomados pelo mato. Alguns há seis anos. Mais da metade delas alcançou 50% da construção, outras sequer avançaram para além do alicerce.

Nas últimas três semanas, a reportagem selecionou obras na Capital, em Guaíba, em Cachoeirinha, em Gravataí, em Alvorada e em Viamão que se enquadrassem na situação de construção pública inacabada. Verificou a situação de cada uma delas (confira abaixo) e conversou com pessoas que têm as vidas afetadas por promessas nunca cumpridas.

Leia mais
Obras públicas inacabadas afetam vidas das comunidades vizinhas

Juntas, as 20 obras deixam de atender 39 mil pessoas nessas seis cidades. É como se toda a população do bairro Petrópolis, em Porto Alegre, não tivesse posto de saúde, creche pública, serviço de urgência e emergência, um espaço cultural ou uma quadra de esportes.

O cenário de uma obra parada deprime: são estruturas inteiras que se deterioram com o passar do tempo, sofrem saques, viram ponto de abrigo para moradores de rua e usuários de drogas, e criam um rastro de desesperança em relação a oferta do serviço público. Comunidades inteiras ficam sem explicações do porquê a construção parou e perspectiva de quando poderá ser retomada.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 08/05/2019:  Especial 20 obras paradas - 3) Instituição de Educação Infantil Jardim Urubatã. Rua Alcebíades Ribeiro, Bairro Hípica   . (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Local: Porto Alegre
Na Instituição de Educação Infantil Jardim Urubatã, água se acumula na chapa de concreto: R$ 232.241,34 investidosFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

Das 20 obras, 12 são escolas municipais de educação infantil abandonadas: quatro em Porto Alegre, três em Viamão, duas em Gravataí, três em Guaíba, todas financiadas pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação.

Uma delas está 92% concluída: a Emei Waina Maria Alencastro Barbosa, no bairro Jardim dos Lagos, em Guaíba, só precisa de pequenos acabamentos e portas. Com capacidade para atender 225 crianças de 0 a 5 anos, a construção está parada há seis meses. Foi abandonada pelas duas empresas que a ergueram. Uma nova licitação foi feita em 16 de maio sem nenhum interessado. É uma estrutura pública, praticamente pronta, sem previsão de ser aberta.

 Guaíba, RS, BRASIL, 16/05/2019:  Especial 20 obras paradas. 19) O que: Emei Waina Maria Alencastro Barbosa -  Onde: Rua Onorio Lemos, Jardim dos Lagos, em Guaíba   (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)
Emei Waina Maria Alencastro Barbosa só precisa de pequenos acabamentos e portas, mas não há previsão de inauguraçãoFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

Outra situação surpreendente ocorre em Alvorada, em um Centro de Esportes Unificados (CEU das Artes) no bairro Sumaré. O prédio, 90% pronto, está abondonado há um ano por incompatibilidade técnica do elevador que foi adquirido para o imóvel. Os jovens que poderiam ser atendidos no local ficam sem rumo ao redor da edificação, sem ter ocupação alguma no turno inverso das aulas.

São várias as razões que levam uma obra pública a ser interrompida – e até mesmo abandonada. Nas construções avaliadas pela reportagem, os motivos mais frequentes para o abandono da obra foram atraso nos pagamentos paras as empresas, problemas internos na própria empreiteira, como falência ou dificuldades financeiras, desistência por não aprovação de aditivos no contrato ou não cumprimento dos prazos contratos.

Também há casos em que o convênio com o governo federal foi cancelado. Em todas as situações, a população fica na mão e a obra é deixada de lado, sem previsão de retomada – das 20 construções visitadas, 19 não têm, até o momento, perspectiva de recomeçarem.

Confira a situação das construções analisadas


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros