Saiba como se preparar para o novo pente-fino do INSS - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Previdência04/06/2019 | 17h54Atualizada em 04/06/2019 | 17h54

Saiba como se preparar para o novo pente-fino do INSS

Segurados devem começar a ser chamados para perícias ainda neste ano, mas INSS ainda não tem data definida para iniciar o processo

Saiba como se preparar para o novo pente-fino do INSS Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Estar com a documentação em dia e guardada é o primeiro passo para a perícia Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Com a aprovação nesta segunda-feira (3) no Senado da Medida Provisória 871, está confirmado um novo pente-fino do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) sobre os benefícios por incapacidade. As revisões ainda não têm data para iniciar, já que a Previdência precisa organizar sua estrutura para isso. Mas a expectativa é de largada no processo no segundo semestre.

O INSS poderá chamar para nova perícia os beneficiários de aposentadoria por invalidez, auxílio-doença e auxílio-acidente sem exame médico há mais de seis meses e sem data para acabar ou indicação para reabilitação profissional. O único grupo livre da verificação pericial é o dos aposentados por invalidez com mais de 60 anos. 

Leia também
Saiba como o INSS deve identificar segurados com benefícios considerados suspeitos
INSS vai acabar com agendamento para pedir benefícios até junho

De acordo com advogados previdenciaristas, quem está nesse grupo que pode ser chamado deve aproveitar o período para se preparar para a possível convocação. Estar com toda a documentação na mão é essencial para não deixar escapar um benefício recebido de forma justa do INSS. 

— O histórico é muito importante em uma perícia do INSS. O segurado  que teve um diagnóstico há três anos, por exemplo, e passou por várias consultas, tem de mostrar o que foi acontecendo nesse período. Por isso, tem de levar na revisão os exames, atestados, isso conta muito — explica o advogado previdenciarista Marcelo Pereira Dias da Silva.

Mas ele lembra que de nada adianta um histórico completo se os exames mais atuais demonstrarem que o impedimento para o trabalho não existe mais. Nesse caso, a tendência é de que o médico perito encaminhe o fim do benefício. Diretora do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Jane Berwanger  avisa que é preciso providenciar esses novos exames. Para quem depende do Sistema Único de Saúde (SUS), buscar uma consulta médica o quanto antes é aconselhado.  

 — É bom se preparar o melhor possível para o pente-fino porque temos visto um endurecimento da análise dos peritos. Estão cada vez menos compreensivos com o beneficiário — diz ela.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Esteja preparado para a perícia médica

Organize-se o quanto antes

/// Use uma pasta para colocar todos os documentos necessários para a revisão, como atestados, laudos, receitas de medicamentos e exames desde a concessão do auxílio.
/// Não deixe nada de fora, laudos anteriores também dever ser incorporados na documentação porque ajudam a mostrar ao perito que o problema é antigo.
/// O médico perito vai analisar os documentos originais. Mas leve cópias para o caso de ser necessário que algum laudo fique no INSS.

Na perícia (ainda sem data prevista porque depende de ato do INSS)

/// O médico perito irá questionar sobre a condição passada do segurado, que originou a concessão do auxílio, e a atual, que vai definir a manutenção ou não do benefício.
/// Outra ferramenta para tirar uma conclusão do caso será realizar um exame de acordo com o caso do segurado.
/// Junto com isso, o perito avaliará a documentação levada e vai conferir se os exames, laudos e receitas médicas comprovam a situação.

Consulta antes da perícia

/// Antes da perícia, pode ser útil ir a um médico e solicitar um laudo atualizado que indique a doença incapacitante para o trabalho.
/// Mas um auxílio-doença pago há mais tempo, por exemplo, precisa de laudos que justifiquem esse benefício desde o início.
/// Por isso, o laudo atual é aliado se o segurado tiver os anteriores indicando a mesma doença.

Discordância do resultado

/// Caso não concorde com o resultado da perícia, o segurado pode recorrer junto ao próprio INSS ou à Justiça.

Fontes: Associação Médica do Rio Grande do Sul (Amrigs) e advogada Jane Berwanger

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros