Apenas 2,13% dos imóveis de Viamão têm ligação de esgoto disponível - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Saneamento11/07/2019 | 05h00Atualizada em 11/07/2019 | 05h00

Apenas 2,13% dos imóveis de Viamão têm ligação de esgoto disponível

 Entre as nove cidades incluídas na PPP da Corsan, esta é que tem o menor nível de coleta e tratamento. Plano é elevar este índice para 87,3% até 2030

Apenas 2,13% dos imóveis de Viamão têm ligação de esgoto disponível Fernando Gomes/Agencia RBS
Gilberto, 71 anos, é vizinho do Arroio Feijó Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Apesar do nome, a Rua Feliz, na Vila Augusta, em Viamão, proporciona várias "infelicidades" aos seus moradores: o esgoto corre a céu aberto nos dois lados da via de chão batido, e o mau cheiro é um tormento constante. 

— Tem dias que não dá para ficar nem dentro de casa, de tão forte que é o cheiro. E não tem o que fazer, se saímos para o rua, o esgoto está de todos os lados e corre sem parar — resume a dona de casa Vera Schmidt, 75 anos, que vive há mais de 50 anos no mesmo endereço. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Difícil ser diferente em uma cidade em que apenas 2,13% dos imóveis têm ligação de esgoto disponível e que somente 1,86% das casas estão efetivamente ligadas à rede. Ao mesmo tempo em que é o município com maior extensão territorial, Viamão tem o menor nível de coleta e tratamento dentre os nove municípios incluídos na Parceria Público-Privada (PPP) da Corsan. Com o investimento privado, a companhia espera ter, até 2030, 87,3% do esgoto tratado neste grupo de cidades que, além de Viamão, inclui Alvorada, Canoas, Cachoeirinha, Eldorado do Sul, Esteio, Gravataí, Guaíba e Sapucaia do Sul. 

Danos à saúde

A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Viamão está localizada em Alvorada, e atende as duas cidades de forma interligada. Porém, segundo o superintendente da Região Metropolitana da Corsan, André Borges, o que mais falta a Viamão é uma rede para coletar o esgoto das casas.

— Faltam muitos trechos (de rede de esgoto), que estão na programação da PPP. A falta de esgoto, além de ser um prejuízo para o meio ambiente e para a saúde das pessoas, traz muitos problemas em dias de chuva. E se o tempo está seco, o cheiro é insuportável.

Leia também
Coleta de esgoto, ligação da rede e tarifa: entenda o que muda com a PPP da Corsan
Depois de quase cinco anos, esgoto ainda vaza na Rua das Araras, em Alvorada

Para o prefeito de Viamão, André Pacheco, o baixo índice de saneamento da cidade se reverte em danos graves à saúde pública, devido ao contato direto da comunidade com o esgoto, o que ajuda a lotar postos de saúde e emergências. Ele reforça que, além de não haver infraestrutura de saneamento na cidade, onde existe, há desconhecimento da população para solicitar o serviço.

Segundo ele, a prefeitura cobra, desde 2015, medidas da Corsan para aumentar a rede de coleta e tratamento de esgoto. A expectativa é de que, com a PPP, as obras de saneamento na cidade acelerem. A partir daí, também espera contar com a conscientização das pessoas para solicitarem a ligação do esgoto em suas casas. 

 VIAMÃO-RS- BRASIL- 08/07/209- Viamão, cidade das atingidas pela PPP da Corsan com menor índice de esgoto tratado,  apenas 2%. Esgoto escorre pela  Rua Feliz, Vila Augusta. FOTO FERNANDO GOMES/ DIÁRIO GAÚCHO.
Rua Feliz, na Vila AugustaFoto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Alagamentos frequentes 

Viver em meio ao esgoto traz prejuízos de todos os tipos. O pedreiro aposentado Gilberto Teodoro dos Santos, 71 anos, mora em uma casa que fica junto ao Arroio Feijó, na Avenida Osvaldo Godói Gomes, Vila Augusta. Todo o esgoto cloacal produzido pela residência dele e dos vizinhos deságua ali. Segundo ele, meia hora de chuva forte já é o suficiente para a água — e o esgoto — invadirem sua casa.

— Moro aqui há 10 anos. Neste período, já foram cinco enchentes. A última foi há um mês. É terrível, porque a gente vive no meio do lixo. Minha esposa tem doença na pele que o médico já disse que é por causa da água — afirma. 

Próximo dali, na Rua Fortaleza, o servente Eliseu Queiroz da Silva, 36 anos, se desdobra para não deixar o filho Taylor, de um ano e cinco meses, brincar no esgoto que corre bem em frente a casa onde mora e que atinge toda extensão da via:

— Eu cuido para ele não chegar perto, mas é comum eu ver crianças brincando, com os pés molhados no esgoto. No verão, é ainda pior, porque o cheiro toma conta. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros