Cris Silva mostra o trabalho da ONG Rosto ao Vento   - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Lá em Casa12/07/2019 | 07h00Atualizada em 12/07/2019 | 07h00

Cris Silva mostra o trabalho da ONG Rosto ao Vento  

Colunista escreve todas as sextas sobre assuntos relacionados a maternidade e família

Cris Silva mostra o trabalho da ONG Rosto ao Vento   Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Com a ajuda de triciclos... Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Eu tenho o maior carinho por esse espaço aqui porque costumo trazer ações que são inspiradoras. Hoje, apresento para vocês uma ONG chamada Rosto ao Vento, criada pelo educador físico Fernando Falavigna Vianna, em 2016. 

A ideia é que as pessoas com alguma deficiência ou outra dificuldade possam participar de corridas e, mais, sentir o vento batendo no rosto... O que a gente sente quando corre.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Para isso, eles contam com corredores voluntários que empurram triciclos apropriados. A ONG já realizou mais de 20 corridas com cerca de 40 famílias, participando de treinos e provas. Atualmente, aqui em Porto Alegre e região, são 14 triciclos fazendo inclusão de cadeirantes e suas famílias por meio desse lindo projeto.

– Sinto que posso ajudar, mesmo não podendo mudar a condição de saúde que determinou a limitação que eles têm. Posso contribuir para que sintam a alegria do esporte, do movimento, mesmo que não seja produzido pelo seu próprio corpo... Além disso, posso estimular mais pessoas a se manterem em movimento, como os familiares, e que, juntos, compartilham as sensações do esporte – conta Fernando.

... pequenos sentem a alegria do esporteFoto: Arquivo Pessoal

Em família

Alguns pais também participam das provas, correndo e empurrando os triciclos. É o caso do pai da Valentina, de oito anos, Alexandre Wagner Lacerda. Eles já estão se programando para a próxima corrida, dia 18 de agosto. Porém, precisam de mais triciclos para atender a todos os interessados em participar. 

Para isso, estão fazendo uma vaquinha online, já que cada triciclo tem um custo de médio de R$ 1,6 mil. Quem quiser ajudar, basta acessar o site vakinha.com.br e procurar “Triciclos Adaptados Rosto ao Vento”. Toda ajuda é bem-vinda! Curta a página no Face: facebook.com/rostoaovento e siga no Insta @rostoaovento.

Leia outras colunas da Cris Silva

As pérolas da gurizada

Enquanto a mãe escovava os dentes, Juliana tomava banho sozinha. 

– Filha, lavou o bumbum? – perguntou a mãe, enquanto monitorava o banho da pequena. 

– Lavei tudo! Até o sovaco pra não ficar com bafo! 

Juliana, seis anos 

Enquanto conversavam, Thais, com cinco aninhos, comentou com a sua irmã mais nova: 

– Nós nascemos em Pelotas. 

Rapidamente, a caçula consertou: 

– Eu não, nasci no hospital! 

Thais, cinco anos, e Luiza, três anos

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros