Encontro debate valorização da mulher negra em Cachoeirinha - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Arte Suburbana21/07/2019 | 21h21Atualizada em 22/07/2019 | 14h17

Encontro debate valorização da mulher negra em Cachoeirinha

Neste domingo (21), na Praça da Juventude do bairro Granja Esperança, teve roda de conversa, desfile, artesanato e apresentações musicais


 Cachoeirinha, RS, BRASIL, 21/07/2019: Grupo promove evento alusivo ao mês da mulher negra em Cachoeirinha. Evento tem objetivo de fortalecer a rede de afroempreendedoras e ativistas sociais e culturais da cidade. (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Indexador: NGS
Ideia é repetir evento a cada dois meses com temas diversos Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Um evento movimentou a Praça da Juventude, em Cachoeirinha, neste domingo (21). O espaço, localizado no bairro Granja Esperança, foi palco da primeira edição do Arte Suburbana. Como este é o mês da mulher negra — a data é comemorada no dia 27 de julho no Brasil —, foram elas as escolhidas para serem tema central das discussões. O encontro foi idealizado pelos artistas Dana Farias e Ju Fidelis, integrantes do grupo musical Subúrbio Black, fundado em 2015. 

— Nós somos de Cachoeirinha, por isso, resolvemos fazer o evento aqui. É uma cidade sem muitos eventos culturais voltados para a cultura negra, achamos que seria interessante —explica a artista.

Dana conta que o envolvimento dela com a cena cultural da Região Metropolitana já é forte. Por isso, entre shows, saraus e outros eventos, surgiu a ideia do Arte Suburbana. A projeção dela é para que o encontro se repita a cada dois meses, sempre com um tema central, que dá o tom da roda de conversa que abre o dia. Depois, ocorrem oficinas, desfiles e apresentações musicais. Além disso, feiras de artesanato movimentam o espaço.

— Desta vez, centralizamos na mulher negra. Teremos outros temas e locais onde a festa irá ocorrer — projeta Dana.

Leia mais
Iniciativas valorizam a cultura africana e incentivam a autoestima em crianças e adolescentes de Porto Alegre
Estudantes visitam escolas para passar mensagens de valorização da cultura negra e de diversidade
Coletivo Quilombelas completa um ano de trabalho em prol da representatividade em escola da Restinga

Neste domingo, o público que costuma frequentar a Praça da Juventude também aproveitou para circular pelos estandes com produtos voltados para a mulher negra, como brincos, roupas, turbantes e adereços para o cabelo.

Além disso, a roda de conversa teve como tema a saúde da mulher negra. Ao longo da tarde, ainda foram oferecidas oficinas para montagem de turbantes e um desfile de roupas com estampas e tecidos vindos do continente africano. Artistas convidados por Dana e Ju compareceram para animar a festa, que durou até a noite.

Valorização

Para a artista visual Dandara da Cruz Ennes, 28 anos, o evento foi uma oportunidade para expor o trabalho que ela realiza na marca que criou em 2015. Formada em administração, ela retira seu sustento da confecção de brincos, colares, adesivos e pinturas, entre outros materiais gráficos. Segundo Dandara, a participação no evento veio por meio de um convite durante outra feira na qual ela estava expondo seu produtos. A artista elogia a tentativa de centralizar o tema do evento na mulher negra:

 Cachoeirinha, RS, BRASIL, 21/07/2019: Na foto: Dandara da Cruz Nunes.  Grupo promove evento alusivo ao mês da mulher negra em Cachoeirinha. Evento tem objetivo de fortalecer a rede de afroempreendedoras e ativistas sociais e culturais da cidade. (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Indexador: NGS
Dandara conseguiu expor trabalhos da marca própriaFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

— A minha marca é construída em cima disso. É importante trazer autoestima e protagonismo para a mulher negra, que sempre precisa lutar para conquistar qualquer espaço na sociedade. 

Segundo a organização, mais de cem pessoas estiveram no local exclusivamente para participar do evento realizado na Praça da Juventude _ sem contar o público que estava no espaço e aproveitou para conferir as atrações.

De Cabo Verde para o Brasil

Foi de uma depressão causada pela distância de casa que a socióloga Sadine Correia, 29 anos, tirou forças para criar sua marca de roupas. Vinda de Cabo Verde, no continente africano, Sadine vive no Brasil há seis anos. Mudou-se para o país para ficar perto do marido e de outros parentes. Entretanto, a adaptação foi complicada:

— Não me sentia bem, não sei por qual razão. Mas, com o tempo, foi ficando mais complicado.

A saída veio dos tecidos que a mãe lhe enviava da África. Sadine começou confeccionando turbantes, que logo fizeram sucesso. Depois, partiu para as roupas.

— Começou como uma brincadeira, para ajudar com a depressão. Me distraia trabalhando nos tecidos que minha mãe enviava — recorda a socióloga. 

Desfile

 Cachoeirinha, RS, BRASIL, 21/07/2019: Na foto: Sadine Correia, estilista. Grupo promove evento alusivo ao mês da mulher negra em Cachoeirinha. Evento tem objetivo de fortalecer a rede de afroempreendedoras e ativistas sociais e culturais da cidade. (Foto: Omar Freitas / Agência RBS)Indexador: NGS
Tarde teve desfile de modaFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

Atualmente, Sadine tem costureiras para auxiliar na confecção das roupas, que são masculinas e femininas. Nos turbantes, entretanto, ela não abre mão de ser a única responsável pela criação e montagem. No evento realizado neste domingo, houve um desfile com modelos vestindo as roupas da Afroberdiana, nome da marca, que significa uma mistura das origens de Sadine:

— O 'afro' vem de África e o 'berdiana' de cabo-verdiana.

Leia outras notícias no Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros