Magali Moraes: a orquestra de gargantas e narizes - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Coluna da Maga17/07/2019 | 09h33Atualizada em 17/07/2019 | 09h33

Magali Moraes: a orquestra de gargantas e narizes

Colunista escreve às segundas, quartas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 18-12-2018. Magali Moraes - colunista no Diário Gaúcho. (FERNANDO GOMES/AGÊNCIA RBS)
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Com esse tempo maluco, que esfria e esquenta a toda hora, o que acontece? Uma sinfonia de pigarros. É um tal de tosse seca, que ninguém aguenta. A garganta irrita, e a gente faz a coitada arranhar cada vez mais tentando tirar lá de dentro o que não quer sair de jeito nenhum. O nariz também entra nessa melodia desafinada: o alérgico espirra aqui, o outro funga ali. Cuidado que lá vem um solo de tosse! Nessa orquestra sem maestro, nossas gargantas e narizes produzem barulhos horríveis. 

Leia mais colunas da Maga 

Preste atenção nos lugares fechados com muita gente: chega a acontecer uma ola de tosses. Só falta a gente levantar com os braços pra cima, como se estivesse no estádio. As gargantas vão arranhando uma a uma. Acabou a pastilha! É resfriado ou gripe? Sei lá. Pelamordedeus, abre logo a janela e deixa o ar circular. Como manter o corpo fechado nessa época? Parece que nem todas as laranjas e bergamotas vão dar conta da vitamina C que precisamos. Haja limonada! E vacina pra gripe. 

Roncos

A sinfonia piora de noite, e os casamentos passam por provas de fogo. Como se não bastassem os roncos, agora o nariz entupido produz grunhidos suínos. A garganta lateja. A tosse vem forte que sacode. Acende a luz pra tomar água. Apaga pra tentar dormir. Acende de novo e bota mais um travesseiro pra levantar a cabeça. Apaga a luz. O nariz coça. O espirro chega que nem trovão. Acende a luz pra buscar remédio. E assim, vamos sobrevivendo até o amanhecer. Atchimmm!! Coff… coff... 

Conheço alguém que não vai ter problema de garganta arranhada nesse inverno: o meu micro-ondas. Deixei explodir um pote de mel dentro dele. Tava duro de guardar na geladeira. Sim, eu poderia ter aquecido em banho-maria. Mas alguém consegue pensar direito tossindo feito louca? O mel atingiu as entranhas do micro-ondas, onde nenhum pano alcança. Ficou um perfume docinho no ar. E o meu chá ficou sem mel. Enquanto isso, um porco-espinho segue na minha garganta. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros