Manoel Soares fala sobre desemprego: "Estar sem trampo mexe com a nossa autoestima" - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Papo Reto20/07/2019 | 07h00Atualizada em 20/07/2019 | 07h00

Manoel Soares fala sobre desemprego: "Estar sem trampo mexe com a nossa autoestima"

Colunista escreve nas edições de final de semana do Diário Gaúcho

Manoel Soares fala sobre desemprego: "Estar sem trampo mexe com a nossa autoestima" Lauro Alves/Agencia RBS
Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Tem gente que está vivendo o desemprego pela primeira vez. Estão apavorados, sem saber como agir. Como tem muita gente passando perrengue, alguns patrões entram numas de exigir canudo de faculdade para empregos nos quais isso não é realmente necessário. 

Fora que vejo alguns avaliadores recusarem pessoas porque será preciso ensinar a mexer em um sistema de computador. Eles esquecem que o desemprego gera fome e violência. A falta de empatia é tão grave como o desemprego. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Os candidatos não podem se atirar nas cordas, mas os empregadores precisam ter sensibilidade. Da parte da galera da quebrada, eu sei muito bem que estar sem trampo mexe com a nossa autoestima. Já fui demitido diversas vezes e fiquei dois anos só no “bico”, mas não podemos colar as placas. É preciso meter um sorriso na cara, “fazer a fina” e cavucar o sucesso no osso.

Esteja preparado

Contar histórias tristes nem sempre dá certo. O entrevistador, ao invés de achar que você precisa do emprego, vai te tirar para problemático. Outra coisa são as roupas. Não use camisas de time, por exemplo. Se o cara for gremista e você estiver de camisa do Inter, naturalmente existirá um ponto de divergência. Não que ele vá te barrar por isso, mas, às vezes, o inconsciente cria rejeição. 

Decotes e roupas justas, às vezes, passam uma mensagem delicada. Lógico que a mulher tem direito de usar a roupa que quiser em um mundo ideal. Mas, na vida real, existe preconceito. Não podemos deixar nossas vidas serem travadas por dar munição aos preconceitos alheios. 

Leia outras colunas de Manoel Soares

Aperto de mão firme e olho no olho sempre ajudam. Se possível, faça uma boa refeição antes de sair de casa, pois os processos de seleção podem levar tempo. Tenha uma garrafa de água. Independentemente da resposta, sempre agradeça no fim da entrevista. Afinal, nunca sabemos quando vamos encontrar essa pessoa no futuro.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros