Corrente solidária se forma para a reconstrução da casa da família Moraes - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso16/08/2019 | 09h47Atualizada em 16/08/2019 | 13h56

Corrente solidária se forma para a reconstrução da casa da família Moraes

Na madrugada de 6 de agosto, no bairro Agronomia, na Capital, a família teve a moradia completamente destruída pelo fogo

Corrente solidária se forma para a reconstrução da casa da família Moraes Félix Zucco/Agencia RBS
Hosana e Luís (à frente), com Paulo, Angelita e Silvana (ao fundo) Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

— Acabou tudo. 

Essa foi a primeira coisa que veio à mente da atendente de farmácia Hosana Moraes, 30 anos, quando, na madrugada de 6 de agosto, viu a casa de sua família, na Rua Mario Tavares, bairro Agronomia, em Porto Alegre, ser completamente destruída por um incêndio. Ali, Hosana morava com o filho, Gusttavo Filip Moraes, quatro anos, a mãe, a dona de casa Angelita Moraes, 54 anos, e os irmãos, o operador de estacionamento Paulo Moraes, 25 anos, e a estudante Sara Moraes, 18 anos. Da residência, na maior parte, de madeira, restou só uma parede: a única de concreto. 

LEIA MAIS
Porto Alegre: biblioteca no condomínio Princesa Isabel vai se tornar realidade
Construções de creche e Cras ficam na promessa no bairro Niterói, em Canoas
Buraqueira não dá sossego em rua de Alvorada

— Estava deitada, por volta das 5h, quando vi um clarão. Percebi que era fogo e já comecei a acordar meus familiares. Tentamos apagar as chamas com água, mas não conseguimos. Quando começaram a se alastrar, percebi que não dava mais para ficarmos ali. Saímos só com a roupa do corpo e tudo ficou em cinzas, perdemos tudo — relembra Hosana. 

Mobilização 

A partir do incêndio, uma corrente do bem começou a se formar entre a vizinhança para ajudar a família a recuperar as perdas. Comerciante do bairro, Silvana Madeira, 38 anos, foi uma das primeiras pessoas a se mobilizar. Em sua rede social, ela relatou o que havia ocorrido e pediu doações. 

A postagem atingiu também o estudante de Jornalismo Luís Magnário, 31 anos, que administra uma página sobre o bairro e decidiu usar o meio de comunicação para divulgar a ação que se formava. A iniciativa deu certo, e a campanha, que começou de forma despretensiosa, já atingiu muitas pessoas. 

— Foi tudo muito espontâneo, por vontade do pessoal de me ajudar. Uma vizinha cedeu um lugar para ficarmos até reconstruirmos nossa casa, e recebemos muitas doações de roupas e alimentos, também alguns móveis. Isso me reconfortou. É muito bom ver que ainda existem muitas pessoas boas – afirma. 

Engajados 

Hoje, Silvana cuida da logística para buscar doações de quem não pode levá-las até seu comércio, que já se tornou um ponto de referência no bairro para arrecadar os donativos. Enquanto isso, Luís segue movimentando a campanha nas redes sociais e percorrendo a comunidade para recrutar pessoas dispostas a contribuir. Agora, a família precisa de materiais de construção

— Estamos engajados porque a Hosana é batalhadora, de muito bom coração, e uma mãe exemplar. Acredito que, de pouquinho em pouquinho, tijolo por tijolo, vamos conseguir (reconstruir a casa) – diz a amiga Silvana. 

Com medo, filho pediu para “ir embora” 

Depois do ocorrido, a vida de Hosana virou de cabeça para baixo. Além de perder a casa e todos os pertences da família, ela também está longe do único filho. Isso porque Gusttavo Filip, quatro anos, ficou assustado com a situação e pediu para passar um tempo longe dali. 

— Ele ficou com muito medo do que aconteceu, de ver o fogo e, depois, nossa casinha toda destruída. Então, pediu para ir embora e, desde o incêndio, mora com o pai, na casa da avó — conta Hosana, afirmando que esta foi sua maior perda: 

— Fico feliz pelo apoio que estamos tendo da comunidade, mas me sinto desestruturada por estar sem ele. De tudo o que aconteceu, isso é o que me deixa mais triste, de coração partido. Eu espero que consigamos reconstruir a nossa casa o quanto antes, para que meu filho queira voltar para cá. 

Como ajudar

 A família está em busca de doações de materiais de construção ou dinheiro:
/// Para doar materiais de construção, ligue para (51) 98439-2896, com Hosana ou Paulo.
/// Quantias em dinheiro podem ser depositadas em nome de Paulo Francisco Moraes Beck Junior, na conta 37802, dígito 1, agência 8875 do banco Itaú.
/// Também é possível contribuir pela vaquinha online

Produção: Camila Bengo

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros