Magali Moraes e o valor sentimental das coisas - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Coluna da Maga08/08/2019 | 11h15Atualizada em 08/08/2019 | 11h15

Magali Moraes e o valor sentimental das coisas

Colunista escreve às segundas, quartas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes e o valor sentimental das coisas Fernando Gomes/Agencia RBS
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Um enfeite que espatifa no chão é somente um enfeite? É colocar os cacos no lixo e seguir em frente? Depende do enfeite e do que ele significa pra você. Tem tanta catástrofe nesse mundo. Foi só um objeto, eu sei. Mas me dei conta de que ele era a melhor lembrança de um período conturbado da minha vida. Então me dei o direito de não disfarçar a tristeza. Repor como? Quanto custa algo que tem valor sentimental? Ao ver a foto do enfeite quebrado, algum pedacinho quebrou dentro de mim. Colar não cola. 

Talvez eu ande emotiva demais. Na mesma hora, lembrei de quem me deu esse presente. Não foi só uma pessoa, foi um grupo que se reuniu pra me surpreender. Do tempo que se fazia vaquinha pra comprar mimo de aniversário pros colegas. Esse presente acertou em cheio: eles sabiam o quanto a minha casa recém entregue era motivo de alegria. Escolheram algo pra eternizar a nossa relação. Carinho com bom gosto, quem resiste? Eram dois, agora o par se foi. Sobrou uma metade e um vazio.

Leia mais colunas da Maga

Empatia

Eu, que sempre falo de empatia, não consegui me colocar no lugar de quem quebrou. Me julguem. Fiquei triste, desapontada, frustrada. Levei um tempo pra me acalmar. Se quebrasse na minha mão, seria ruim igual. Às vezes a gente só entende a importância de uma lembrança quando acontece algo assim. Vou comprar outro enfeite pra substituir. O que eu queria mesmo era continuar batendo o olho naquele presente que me fazia bem. Só eu penduro na alma o que é de pendurar na parede?

Dentro da palavra "decoração" tá escrito "coração". Isso deve explicar por que é tão gostoso se cercar de coisas que nos trazem bons sentimentos. Recordações de viagens, fotos de família, objetos que pertenceram a alguém especial, livros e presentes que marcaram. Não sei se todo mundo pensa assim. Cada vez mais eu valorizo as lembranças. Li em algum lugar que lar é onde o wi-fi pega direto. Não concordo. Lar é onde as paredes contam a nossa história de vida.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros