Ação da EPTC ajuda a diminuir número de motociclistas feridos na Capital - Notícias

Versão mobile

 
 

Depois dos bolsões23/09/2019 | 05h00Atualizada em 23/09/2019 | 05h00

Ação da EPTC ajuda a diminuir número de motociclistas feridos na Capital

Áreas preferenciais criadas pela EPTC para dar prioridade a quem está de moto tiveram efeitos no trânsito. Porém, condutores acreditam que ainda falta conscientização

Ação da EPTC ajuda a diminuir número de motociclistas feridos na Capital Tadeu Vilani/Agencia RBS
Everton Miranda defende mais educação no trânsito Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Uma ação pensada para dar mais segurança aos motociclistas da Capital completou seu primeiro ano recentemente. Trata-se dos bolsões preferenciais para motos, pintados pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) em seis cruzamentos da cidade. A ação foi criada com a intenção de trazer mais organização ao trânsito e segurança aos motociclistas, conforme o diretor-presidente da EPTC, Fabio Berwanger. 

Leia mais
Um mês depois, o que funciona e o que não funciona no app que mostra a localização dos ônibus de Porto Alegre
Moradores da Zona Sul se mobilizam contra câmera que multou mais de 12,5 mil na Nonoai
Prefeitura enviará à Câmara projeto que proíbe a atividade de flanelinha em Porto Alegre

Apesar do caráter educativo – a parada de carros sobre a área não gera multas, apenas advertência –, a atitude já tem mostrado resultados positivos. Dados levantados pela EPTC a pedido do Diário Gaúcho mostram que o número de acidentes e de motociclistas feridos nas áreas onde os bolsões foram pintados diminuiu. No período de um ano antes das pinturas no cruzamentos, foram registrados cinco acidentes nos locais. Depois do primeiro ano de implantação, o número caiu para quatro. 

Entretanto, a redução que chama mais atenção é a de motociclistas feridos. No período de um ano antes da iniciativa ser implantada, foram seis feridos. Já no primeiro ano após as pinturas nos seis cruzamentos, somente um ficou ferido. Para o diretor da EPTC, isso demonstra que, mesmo que a redução de acidentes seja pequena, as ocorrências são de menor gravidade, deixando menos feridos. Fabio acredita que os bolsões ajudaram a "organizar melhor o fluxo nos locais onde foram implantados". 

– Importante ressaltar que ainda está em caráter experimental, conforme autorização que tivemos do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Outro ponto é que os bolsões foram uma própria demanda da categoria dos motociclistas que nos propomos a atender – pontua Fabio.

Ampliação

A classe elogia a iniciativa da EPTC, mas ressalta que a medida poderia ser ampliada para cruzamentos importantes da cidade. A opinião é do presidente do Sindicato dos Motociclistas Profissionais Sindimoto-RS, Valter Ferreira. Ele acredita que houve aumento na visibilidade dos profissionais:

– Na arrancada, a moto acaba saindo mais rápido que o carro. Entretanto, no meio dos veículos, ela não é visualizada. Aquela área é muito importante, nos dá visibilidade e segurança. É bom, inclusive, para os pedestres.

Segundo o diretor da EPTC, estão sendo estudadas novas áreas para implantação dos bolsões. Entretanto, ainda não há prazo para que isso aconteça.

Profissionais elogiam, mas pedem mais respeito

A reportagem circulou por alguns dos cruzamentos da Capital que possuem os bolsões para motos. O que se nota é que o uso da área ainda não é seguido por todos os usuários do trânsito. Alguns motociclistas até preferem ficar no corredor entre os carros do que na faixa especial. Mesmo assim, na maioria das situações visualizadas pela reportagem, o uso estava sendo feito de maneira correta. 

Para quem guia uma moto diariamente pelas ruas da cidade, a ação é vista com bons olhos. Motoboy há 15 anos, Everton Miranda, 53 anos, cita que ainda vê muitos carros pararem sobre a área. Por isso, acredita que a EPTC deveria reforçar a fiscalização nestes pontos:

– Precisamos de mais educação no trânsito. Ficou melhor, mas falta mais conscientização dos motoristas.

Para Jorge Mello, 53 anos, a ideia foi ótima, mas ainda carece de reforço na divulgação. Trabalhando na área há 20 anos, ele acredita que os usuários do sistema de trânsito também precisam de mais educação. 

– A gente vê a EPTC como um órgão que só multa. Eles poderiam ser mais educadores, mudar a nossa cultura sobre o trânsito, que é complicada – diz Jorge.

ONDE ESTÃO OS BOLSÕES

  • Bento Gonçalves x Antônio de Carvalho
  • Protásio Alves x Antônio de Carvalho
  • Cavalhada x Eduardo Prado
  • Farrapos x Cairu
  • Goethe x Mostardeiro
  • Independência x Rua Garibaldi
 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros