Em mais um dia de paralisação, 11 postos de saúde ficam fechados em Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Protesto 19/09/2019 | 18h55Atualizada em 19/09/2019 | 18h55

Em mais um dia de paralisação, 11 postos de saúde ficam fechados em Porto Alegre

A suspensão dos atendimentos é um protesto de funcionários pela extinção do Instituto Municipal da Estratégia de Saúde da Família de Porto Alegre (Imesf)

A Secretaria Municipal da Saúde confirma que 11 postos de saúde ficaram fechados na tarde desta quinta-feira (19), em Porto Alegre. Em outros três, o atendimento foi parcial. 

A suspensão dos atendimentos é um protesto de funcionários pela extinção do Instituto Municipal da Estratégia de Saúde da Família de Porto Alegre (Imesf) e a expectativa de demissão de 1.840 trabalhadores, entre médicos, enfermeiros e agentes comunitários.   

As unidades fechadas são Santa Clara, no Centro; Ernesto Araújo, Maria da Conceição, Santo Alfredo, Esmeralda, Herdeiros e Santa Helena, na região do bairro Partenon; Putinga e Paulo Viaro, na Restinga; e Santa Maria e Sarandi, na Zona Norte. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Já nos postos Modelo, no Centro, Lami e Macedônia, na Zona Sul, o atendimento foi parcial. 

Pela manhã, apenas três unidades fecharam as portas: Santa Maria, Jenor Jarros e Timbaúva, na Zona Norte. 

Assembleia 

Servidores do Imesf se reúnem na tarde desta quinta, na Igreja Pompéia, no centro, para uma assembleia. Conforme os sindicatos que representam as categorias, o objetivo é organizar uma luta pela garantia dos empregos. 

Leia também
Por ordem do STF, prefeitura de Porto Alegre fechará órgão responsável por saúde da família
Vereadores sugerem transformação do Imesf em empresa pública para evitar 1,8 mil demissões

Alvo de uma guerra judicial desde 2011, o instituto, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), deve ser extinto até o final do mês pela prefeitura da Capital. 

O prefeito Nelson Marchezan garante que a população não terá prejuízos e promete aproveitar a situação para promover melhorias no atendimento — o que, segundo ele, incluirá a criação de novas Clínicas da Família e o fechamento de postos "sem condições mínimas de funcionamento". 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros