Calçada do posto Santa Marta segue isolada, e marquise, sem reparos - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso18/10/2019 | 11h25

Calçada do posto Santa Marta segue isolada, e marquise, sem reparos

Há mais de dois anos, o isolamento obriga pedestres a desviarem pela rua

Calçada do posto Santa Marta segue isolada, e marquise, sem reparos Lauro Alves/Agencia RBS
Entrada do Santa Marta está isolada há dois anos Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

Quem passa pela calçada em frente ao Centro de Saúde Santa Marta, na Rua Capitão Montanha, centro de Porto Alegre, ainda tem que desviar do tapume que bloqueia a entrada principal da entidade. Com o isolamento instalado há mais de dois anos, o problema é o risco iminente de queda da marquise do prédio. Por isso, o tapume serve como proteção para pedestres. Além da barreira de madeira, a EPTC colocou cavaletes para demarcar o espaço destinado ao desvio de quem percorre o trajeto. 

LEIA MAIS
Debutantes de Sapucaia do Sul precisam de ajuda para realizar festa
Paciente precisa de encaminhamento ao especialista para tratamento de doença rara
Falta de insumos em hospital da Capital impossibilita realização de exame 

Em 5 de julho do ano passado, o DG mostrou a situação. À época, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) da Capital justificou que não havia recursos públicos para a reforma do local e, por isso, a demolição da marquise e a troca do telhado e das janelas seriam em forma de contrapartida de um empreendimento privado. Contudo, a SMS não deu previsão, apenas afirmou que a marquise não representava riscos à segurança dos pedestres, pois não seria aplicado peso sobre ela. 

A assistente social aposentada Lourdes Deboni, 74 anos, vai ao Santa Marta pelo menos duas vezes por mês. A idosa, que sofre de fibromialgia — doença caracterizada por dor crônica em vários pontos do corpo —, usa uma bengala para se locomover. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 16/10/2019- Há mais de dois anos, a entrada principal do Centro de Saúde Santa Marta, no Centro Histórico de Porto Alegre, está interditada. O isolamento no local cobriu toda a calçada, impedindo a passagem de pedestres. Na foto-  Lourdes Deboni, 74 anos, moradora do bairro Menino Deus.(FOTOGRAFO: LAURO ALVES / AGENCIA RBS)
Para Lourdes, é um transtornoFoto: Lauro Alves / Agencia RBS

—  Sempre que passo por aqui, fico pensando em quando vão tirar esse tapume. Toda vez é esse transtorno de ter que passar pela rua em vez da calçada — afirma a aposentada. 

Cuidado 

A dona de casa Daniele Rodrigues, 29 anos, e o marido, o atendente Jairo Frighetto, 25 anos, frequentam todo o mês o Santa Marta. Antes, as idas ao posto eram para acompanhamento da gestação de Daniele. Agora, com o recém-nascido nos braços e o fi lho maior no colo, as idas são ao pediatra. 

— Até hoje eu não sabia que esse isolamento era por causa da marquise. O que será que estão esperando? — questiona a dona de casa, ao que o esposo completa: 

— Há muito tempo está assim. Para passarmos, tomamos cuidado, principalmente com o (fi lho) maior, que já caminha. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 16/10/2019- Há mais de dois anos, a entrada principal do Centro de Saúde Santa Marta, no Centro Histórico de Porto Alegre, está interditada. O isolamento no local cobriu toda a calçada, impedindo a passagem de pedestres. Daniele Vieira Rodrigues, 29 anos, Jaio Junior Frighetto, 25 anos.(FOTOGRAFO: LAURO ALVES / AGENCIA RBS)
Casal leva os filhos ao postoFoto: Lauro Alves / Agencia RBS

Ainda sem prazo para retirada 

De acordo com a assessoria de comunicação da SMS da Capital, o termo de compromisso a ser firmado junto à prefeitura e à empresa que fará a obra está, atualmente, junto à Procuradoria Geral do Município (PGM). “Tão logo o órgão convoque a empresa para assinar a documentação, será possível dar a ordem de início dos serviços”, explicou a assessoria. Porém, não há prazo para que a assinatura ocorra. 

Produção: Caroline Tidra 

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso 

  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros