Padaria oferece produtos de graça para quem precisa de alimentos em Gravataí - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Cesta solidária22/10/2019 | 05h00Atualizada em 22/10/2019 | 05h00

Padaria oferece produtos de graça para quem precisa de alimentos em Gravataí

Os clientes também podem ajudar comprando mais pãezinhos para rechear a cesta, que fica em frente ao estabelecimento

Padaria oferece produtos de graça para quem precisa de alimentos em Gravataí Robinson Estrásulas/Agencia RBS
Para Fernando, iniciativa é "maravilhosa" Foto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

Uma cesta cheia de delícias, como pães, cucas e biscoitos, à disposição de quem tem fome. É só chegar e pegar. Esta é a proposta da ação solidária promovida pela Padaria Miolo do Pão, que fica no bairro Barnabé, em Gravataí. Há cerca de um mês, os proprietários passaram a oferecer as doações bem na entrada do estabelecimento.

Desde que o local abriu as portas, há 13 anos, é comum que pessoas apareçam por lá pedindo alimentos. Mas, muitas vezes, a situação gerava vergonha em quem precisa de ajuda. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

— A pessoa tinha que entrar, falar com quem estava no caixa, pedir na frente de outras pessoas. Gerava um certo constrangimento para elas — afirma Mariana Dornelles Ignácio, uma das proprietárias da empresa familiar.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL 21/10/2019 - Mariana - A padaria Miolo do Pão, em Gravataí, passou a deixar uma cesta na entrada do local com doações para quem precisa. (FOTO: ROBINSON ESTRÁSULAS/AGÊNCIA RBS)
Mariana disponibiliza a cesta em frente ao estabelecimentoFoto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

A ideia da cesta veio das redes sociais:

— Vi uma publicação de uma padaria em outro Estado que fez uma ação parecida. As pessoas aderiram, gostaram, e achei que seria uma boa ideia implementar aqui também, para ver como seria o retorno.

Mariana não sabe dizer quantas pessoas aparecem por dia para buscar os pães, mas a cesta, que começa a ser preenchida logo após o meio-dia, geralmente termina o expediente, às 21h, vazia.

Aprovado

Na tarde desta quinta-feira (21), uma chuva fina e fria caía quando o reciclador Fernando Ferreira da Silva, 50 anos, apareceu na Miolo do Pão em busca de alimentos. Em situação de rua há cinco anos, ele está em Gravataí há sete meses e passa algumas noites por semana em um albergue da prefeitura que fica próximo da padaria.

Leia também
Grupo de doadores de sangue completa 30 anos e busca voluntários: "Não vamos desistir"
Professora transforma guarda-chuvas estragados em sacos de dormir para moradores de rua: "Ganho sorrisos"
Porto Alegre: biblioteca no condomínio Princesa Isabel vai se tornar realidade

— Nesse tempo, já vim várias vezes aqui, e nunca me negaram algo para comer. Antes, eu ficava meio constrangido. Tem horas que a gente chega sujo por causa da reciclagem, sei que nem todo mundo gosta. Mas a gente vem pedir quanto está com muita fome. Então, eu vinha mesmo assim — conta ele.

Fernando aprovou a iniciativa da cesta. 

— É uma coisa maravilhosa, exemplo pra todo mundo. Eu nunca tinha visto nada assim. Pelo contrário, tem gente que já diz que não tem nada para não aparecer morador de rua – ressalta o reciclador.  

Apenas o necessário

A cesta fica à disposição de todos, não é preciso pedir autorização para levar um alimento. O único pedido é que se leve apenas o necessário, para que mais pessoas sejam beneficiadas.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL 21/10/2019 - A padaria Miolo do Pão, em Gravataí, passou a deixar uma cesta na entrada do local com doações para quem precisa. (FOTO: ROBINSON ESTRÁSULAS/AGÊNCIA RBS)
Equipe de funcionários ajuda passando as informações para os clientes, que também contribuem com doaçõesFoto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

— É interessante ver que todo mundo respeita isso. Geralmente, cada um leva um item. Quem leva mais faz questão de explicar que vai levar para um amigo que já está no albergue ou para um familiar que não consegue vir — diz Mariana.

Os funcionários do local, desde que a iniciativa começou, são orientados a explicar aos clientes sobre a ação. Eles podem comprar produtos para “rechear” um pouco mais as doações. Uma das atendentes da Miolo do Pão, Sabrina da Silva, 23 anos, diz que a aceitação é boa também entre os clientes:

— Eles gostam do formato. A maioria já pede para a gente fazer um saquinho com alguns pães a mais, para colocar na cesta.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros