RS tem 35 mil alunos matriculados no Ensino Médio que não frequentam a escola - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Rede estadual04/10/2019 | 22h00Atualizada em 04/10/2019 | 22h00

RS tem 35 mil alunos matriculados no Ensino Médio que não frequentam a escola

Secretário da Educação anuncia plano para tentar reverter a evasão escolar

O Rio Grande do Sul tem 35.870 estudantes no Ensino Médio da rede estadual que se matricularam no começo do ano letivo de 2019 e nunca frequentaram a escola ou possuem mais de 75% de falta. Eles representam 11,4% do total de 312.805 alunos inscritos nesta etapa de ensino.

Leia mais
Estado precisa aumentar em 28% ao ano matrículas no Ensino Médio até 2024
Escola Carlos Drummond de Andrade, de Alvorada, é indicada para adotar o modelo cívico-militar
Temos que nos reinventar e buscar alternativa", diz secretário da Educação sobre Ensino Médio

O contingente de 35.870 alunos é definido pelo secretário estadual de Educação, Faisal Karam, como "alunos fantasmas" e diz respeito a estudantes com mais de 18 anos. O número abaixo desta faixa etária não é contabilizado porque estudantes menores de idade não são retirados do sistema de matrícula da Seduc. 

— É um aluno que está excluído e não se recupera mais. Temos um sistema atualizado para identificá-lo — afirma Karam.

O número representa um desafio extra a ser enfrentado pelo Estado para atrair jovens para o Ensino Médio. Reportagem publicada nesta quinta-feira (3) no Diário Gaúcho detalhou um estudo inédito feito pelas secretarias da Fazenda e do Planejamento com projeções de matrícula na rede estadual até 2030. O relatório revela que o número de estudantes entre 15 e 17 anos precisa aumentar 28% ao ano até 2024 para que o Rio Grande do Sul atinja a meta do Plano Nacional de Educação (PNE), definido pela lei 13.005, de 2014. A legislação prevê que 85% da população desta faixa etária esteja matriculada no Ensino Médio.

Na avaliação do secretário, alguns estudantes se matriculam na escola apenas com o objetivo de fazer carteirinha do estudante, para ter acesso a transporte público mais barato a fim de procurar uma oportunidade de inserção no mercado de trabalho:

— O primeiro emprego para o jovem hoje é muito mais atrativo do que a sala de aula. Infelizmente. Ele quer ter renda e coisas imediatas.

Alunos "somem"

Em uma tentativa de tornar o número de alunos da rede mais próximo da contingente de estudantes que realmente frequentam a escola, Faisal revela que, quando iniciarem as rematrículas para o ano letivo de 2020, em novembro, elas serão feitas apenas para os alunos em sala de aula. Os que não frequentam terão que fazer uma nova matrícula em janeiro:

— Ele terão que procurar a escola, entrar numa fila de espera para readequação de turma.

Na Escola Estadual de Ensino Médio Osvaldo Camargo, em Cachoeirinha, em turmas que começam o ano letivo com 40 alunos, em média, cinco ou seis matriculam-se e nunca mais aparecerem na escola. O problema é visível especialmente no turno da noite, segundo a orientadora educacional Leatrice Moreira Perônio:

— São os alunos que fazem a matrícula e somem.

Segundo a coordenadora da 1º CRE, Hilda Liana Diehl, é a primeira vez que se faz uma política de governo para identificar alunos infrequentes. A iniciativa faz parte do programa Aluno Presente. Frente ao desafio, Hilda reconhece que atrair o aluno de volta para sala de aula é "um trabalho de formiguinha". Na última semana de setembro, os números de Porto Alegre foram apresentados para diretores em uma reunião na qual se discutiu estratégias para atrair este estudantes:

— Temos que mostrar que ele precisa estar na escola. A grande maioria desse contingente aparece de vez em quando para pegar o comprovante de matrícula para apresentar em estágio ou fazer o cartão TRI. É nesse momento que temos que chamar o aluno individualmente. A escola deve tentar convencer esse estudante a estar ali — afirma Hilda, à frente da maior coordenadoria do Estado, que abrange 245 escolas e 122 mil alunos.

Papel da família para mudar este cenário

No entendimento do secretário, mesmo em um cenário de escolas com problemas estruturais e falta de professores, a família tem papel fundamental no resgate desse estudante:

— A família é base para que seu filho se motive para a sala de aula. Talvez em alguns casos a família pode não saber que o filho não está dentro da sala de aula, o que é difícil de acreditar.

Leia mais
UFRGS oferece mais de 1,2 mil vagas entre transferência interna e ingresso de diplomado
Cerca de 6% dos cursos de Ensino Superior avaliados no Enade 2018 tiraram nota máxima
Como escolher uma graduação pela qualidade? Conheça os principais indicadores

Promotora de Justiça Regional da Educação de Porto Alegre, Danielle Bolzan Teixeira avalia que o sucesso da manutenção do aluno na sala de aula depende de uma boa rede interna das escolas para tratar as situações de infrequência. Para ela, é preciso também que os educandários estejam integrados às redes de proteção de seus territórios e com as demais políticas de atendimento às crianças e aos adolescentes, especialmente saúde e assistência social.

Tão importante quanto saber número de alunos que se matriculam, mas não frequentam a escola é entender a razão pela qual o jovem escolhe esse caminho, avalia a professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e coordenadora do Observatório do Ensino Médio, Mônica Ribeiro da Silva. A pesquisadora defende que a escola e o próprio sistema de ensino devem fazer uma busca ativa desse aluno, identificando que tipo de política pode resolver esse problema:

— Se o estudante abandona e ninguém vai atrás, o jovem está desinteressado, mas será que a escola também não está? O que temos a oferecer ao jovem que não quer ir para escola?

Mônica salienta que é importante tentar compreender os motivos que levam o estudante a deixar a escola levando em conta a complexidade de fatores que envolvem a própria juventude.

— Por que desistir da escola? É o trabalho? São outros interesses? Podem ser muitos fatores. Não dá pra tratar uma juventude tão diversa como se fosse uma coisa só. Olhar como se fosse apenas um número. É preciso enxergar o que eles são de fato. 

Doutorando da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pesquisador de políticas públicas do Ensino Médio, Mateus Saraiva acredita que a responsabilidade em decidir se frequenta ou não a escola não pode ser entregue ao jovem. 

— Não dá para achar que esse estudante já é um adulto. É preciso ir atrás dessa pessoa, a rede precisa ir buscar esse aluno. É dever do Estado cumprir com a garantia do direito à educação. 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros