Time de futebol amador completa 81 anos em Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Esporte e amizade08/12/2019 | 16h56Atualizada em 08/12/2019 | 16h56

Time de futebol amador completa 81 anos em Porto Alegre

Vila Cristal Futebol Clube foi fundado em 1938 pelo ex-deputado estadual José Vecchio. Confraternização neste domingo comemorou mais um aniversário

Time de futebol amador completa 81 anos em Porto Alegre Jéssica Britto/Agência RBS
Time se reuniu neste domingo para celebração Foto: Jéssica Britto / Agência RBS

Essa história fala de companheirismo, parceria e diversão. Não é à toa que muitos dos jogadores ingressaram no clube quando adolescentes e, hoje, estão no auge dos seus sessenta, setenta e poucos anos, mas seguem aparecendo para as "peladas" semanais. É porque, além de futebol, o Vila Cristal Esporte Clube virou um reduto de boas histórias e longas amizades. Neste domingo, esse seleto grupo se reuniu para mais uma partida, mas com um motivo extra: comemorar os 81 anos de fundação, na zona sul de Porto Alegre.

Além de, claro, bater aquela bolinha, os integrantes fizeram churrasco e entregaram premiações aos destaques do ano na sede do Clube América, no bairro Camaquã. Como não têm sede, os jogadores do Vila percorrem os campos da cidade, semanalmente, para manter a tradição. 

O Vila Cristal foi fundado em 20 de outubro de 1938 pelo ex-deputado estadual José Vecchio (1909-1994). Quando os irmãos Paleman de Oliveira (conhecido como Lilão), 72 anos, Antônio Carlos de Oliveira (conhecido como Lako), 74 anos, e Moacir de Oliveira, 66 anos, saíram de Santo Ângelo e vieram morar na Capital, o irmão Juarez, hoje falecido, foi jogar no time. Logo em seguida, os demais irmãos também ingressariam. Passados algum tempo, Vecchio passou a gestão do clube para eles, que há 50 anos seguem no comando do time. Atualmente, quem preside o Vila é Antônio Carlos de Oliveira Junior (o Nego), 29 anos, filho de Lako.  

Leia mais
Além do rádio, Gugu Streit também é craque nas quadras
Time amador de Viamão presenteia meninos da base com chuteiras novas
Professora transforma guarda-chuvas estragados em sacos de dormir para moradores de rua: "Ganho sorrisos"

Prestígio

O Vila Cristal já revelou e recebeu atletas que passaram por várias agremiações do interior gaúcho e do país. Lilão, por exemplo, atuou no Estrela Futebol Clube, Lako no Avenida, de Santa Cruz. Manoel Carvalho Moreira, 73 anos, o Manequinha, foi profissional e passou por São Leopoldo, Cruz Alta, Santa Rosa, Lages, Vitória da Conquista (na Bahia) e São Luís do Maranhão (onde foi campeão estadual em 1972). Depois de toda essa caminhada, foi no Vila Cristal que seguiu disputando partidas com os amigos. 

Em tempos áureos, o time chegou a ter uma escolinha com todas as categorias. Conquistou o título de campeão estadual na categoria amador, no Beira Rio, em 1978. Hoje, ter o espaço próprio é um grande sonho, mas ainda distante de se concretizar. 

— Já tentamos algum local com a prefeitura. Bancar por conta é muito difícil. É um time humilde — fala Nego.

Vida longa ao Vila

Vila Cristal Futebol Clube, time de futebol amador de Porto Alegre, completa 81 anos de existência. Segundo o grupo, é o mais antigo time da várzea em atividade.  Na foto, os mais antigos integrantes que até hoje jogam no time, os irmãos Paleman de Oliveira (conhecido como Lilão), Antônio Carlos de Oliveira (conhecido como Lako) e Moacir de Oliveira.
Lilão, Lako e Moacir: irmãos ajudaram a construir a história do VilaFoto: Jéssica Britto / Agência RBS

Enquanto a sede não vem, a integração é o que mais importa. Durante a semana, o confronto é definido, o horário marcado e a partida garantida. 

— Todo domingo a gente tem jogo, seja onde for. Nos encontramos na casa do Lako e, de lá, partimos. Hoje, só jogamos amistosos, eventualmente algum campeonato — explica o presidente.

A diversidade de ofícios, gerações e personalidades é a marca do grupo de amigos que não vê o fim dessa história se aproximar. O Vila tem atletas de 19 a 74 anos e uma longa trajetória pela frente. O instalador de gesso Fabiano Pacheco, 41 anos, diz que ali se estabeleceu uma família, fruto da persistência e amizade dos irmãos Oliveira.

— Eles têm muitas história para contar, precisaria de um dia inteiro para ouvir. Se não tem eles aqui, parece que não é o mesmo jogo de domingo — descreve.

— Aqui estão nossas grandes alegrias e amizades — completam Lilão e Lako.

Confira outras notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros