Magali Moraes e a vontade de mudar - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Coluna da Maga27/01/2020 | 05h00Atualizada em 27/01/2020 | 05h00

Magali Moraes e a vontade de mudar

Colunista escreve às segundas, quartas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 18-12-2018. Magali Moraes - colunista no Diário Gaúcho. (FERNANDO GOMES/AGÊNCIA RBS)
Magali MoraesFoto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Quando ela bate é como um mosquitinho chato que voa perto da nossa orelha no meio da noite. A gente não sabe direito de onde vem. Só que incomoda. Nossa primeira reação é espantar. Mas a vontade de mudar segue nos rondando, assim como os insetos na escuridão. O lado bom do mosquito é que ele provoca alguma reação: levantar da cama, arremessar um travesseiro no ar, buscar o inseticida, cobrir a cabeça. Um mísero mosquito nos faz agir. Pode provocar até reação alérgica na pele. 

A vontade de mudar também provoca uma tomada de atitude. Não tem como ignorar. Enquanto o mosquito não muda de tamanho, o bichinho da mudança vai crescendo dentro de nós. Chega uma hora em que é impossível não enxergar o quanto essa vontade aumentou. Li uma frase que deveria virar um quadro pendurado na parede: "aceitar o incômodo de continuar onde está ou aceitar o incômodo de mudar e crescer." Simples assim. Mudar nem sempre é fácil, mas geralmente é necessário. E positivo. 

Cabelo

Se mudar o cabelo já mexe com a gente, imagina mudar um hábito, mudar de endereço, de emprego, de cidade, de casa, de relacionamento. Tem pessoas que passam a vida inteira evitando qualquer tipo de mudança. Me pergunto por quê. Mudar é saudável. Encerrar ciclos e iniciar outros faz parte da vida. Dependendo da mudança, dá medo. Pede coragem. Assim como é gostoso mudar de lugar o sofá da sala, também é tri bom mudar as nossas certezas de lugar. A energia ao redor modifica.

Pro mosquitinho que incomoda nas noites de verão, eu te desejo boa sorte (e Baygon, Raid, SBP). Já pra vontade de mudar, eu dou o maior incentivo. Quando o bichinho da mudança aparece, não mata ele. Presta atenção. Ouve teu coração. Abraça o novo, por mais dolorido que seja romper (e é muito). Estou vivendo esse momento, e me sentindo animada com mudanças na minha vida. Dá um baita frio na barriga. 2020 tá prometendo! Como diz uma grande amiga minha, a gente escolhe ser feliz.

Leia mais colunas da Maga

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros