Policiais destacam o carinho por Justiceira, a égua que morreu antes do jogo entre Inter e Tolima - Notícias

Versão mobile

 
 

Comoção27/02/2020 | 22h10

Policiais destacam o carinho por Justiceira, a égua que morreu antes do jogo entre Inter e Tolima

Animal de 18 anos de idade tombou durante o policiamento no entorno do Beira-Rio 

Vazia, a baia 86 do 4° Regimento de Polícia Montada (4° RPMON), em Porto Alegre, não receberá mais a sua dona, a Justiceira, égua da Brigada Militar (BM) de 18 anos de idade que tombou pouco antes de entrar em combate, na noite de quarta-feira (26), antes da partida entre Inter e Tolima. 

Leia mais notícias do Diário Gaúcho

Dócil, o animal de pelo marrom e mancha branca entre os olhos passou mal e morreu logo depois da chegada ao estádio Beira-Rio

Uma das cenas marcantes do episódio é a do soldado Maicon Alves agachado ao lado do equino deitado no chão. Com uma mão na cabeça do animal e outra em seus próprios olhos, Alves representou, naquele instante, toda a dor sentida pelo grupo de policiais do 4° RPMON. 

— É um momento de tristeza — define. 

 A sucessão dos fatos foi muito rápida, recorda o soldado. Assim que desembarcaram no estádio, os animais foram levados para uma caminhada de ambientação ao local. Foi neste momento que Justiceira deu os primeiros indícios de que não estava bem: fraquejou e tombou uma vez. Tentou levantar e caiu novamente. 

—  Foi quando vi que ela estava passando mal. Desci do meu equino e fui ajudá-la. Tirei a sela para ela ficar um pouco melhor. Mas foi instantâneo. Em cerca de cinco, 10 minutos ela já tinha morrido —  lembra o soldado Alves. 

Após constatarem a morte, cerca de 10 policiais reuniram forças para erguer o animal até o caminhão da BM, que levou Justiceira de volta ao quartel, onde foram realizados exames. De acordo com o veterinário, capitão Stéfano Leite Dau, uma análise preliminar indica que a égua tinha uma lesão cardíaca, o que pode ter provocado um infarto.  

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 26.02.2020 - Pré-jogo de Inter e Deportes Tolima-COL, jogo de volta da 3ª fase da Copa Libertadores da América. Na imagem: cavalo da Brigada Militar sofre mau súbito e falece no local. (Foto: Lauro Alves/Agencia RBS) Indexador: Jeff Botega<!-- NICAID(14432651) -->
Policiais tentaram ajudar o animalFoto: Lauro Alves / Agencia RBS

—  Ela podia ter essa alteração há mais tempo. Como no dia a dia os animais basicamente caminham e ficam parados, isso pode não ter se manifestado. Ou seja, como não tinha sobrecarga, passou despercebido. No entanto, chegou a um ponto que ficou demais —  acredita o veterinário, que também coletou amostras que foram encaminhadas para o laboratório da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 


Fim de uma parceria 

O caso de “amor à primeira vista” começou lá em 2015, quando o animal desceu de um caminhão vindo de Santa Maria. Naquele momento, o sargento Mario Luiz Negreiros colocou os olhos no equino e pensou: “Essa vai ser a minha montaria”. E assim aconteceu até a última sexta-feira (21), quando a relação de parceria teve um “até breve” em função da aposentadoria do policial. 

—  No dia (sexta) em que eu tirei a foto aqui, chamei ela: “Justiceira!” e ela relinchou —  conta. 

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 27-02-2020: O sargento Negreiros com uma foto recente com a égua Justiceira no celular, no 4º Regimento de Polícia Montada - 4º RPMON. Eles trabalharam juntos por anos. Ontem, no policiamento de Inter X Tolima, no entorno do Estádio Beira-Rio, a égua morreu. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)Indexador: Mateus Bruxel<!-- NICAID(14433295) -->
Último registro do sargento com a éguaFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

Ontem, ao receber uma ligação do colega que montava o equino, Negreiros foi tomado pela tristeza:  

—  É uma dor. Cinco anos convivendo com ela em grandes momentos, como a semifinal da Libertadores entre Grêmio e River Plate, e a final da Copa do Brasil, entre Inter e Athletico-PR. Fora Operações Golfinho e outros eventos. É como se fosse da família. Até minha esposa chorou. Era um grande animal. 

Como reconhecimento, Justiceira deve ser homenageada no próximo dia 7, quando uma prova hípica vai comemorar o aniversário do 4° RPMON. Embora a ideia ainda não esteja definida, o tenente coronel José Carlos Pacheco acredita que a égua deva receber uma lembrança para ser colocada em uma espécie de galeria de heróis.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 27-02-2020: O sargento Negreiros na baia que era ocupada pela égua Justiceira no 4º Regimento de Polícia Montada - 4º RPMON. Eles trabalharam juntos por anos. Ontem, no policiamento de Inter X Tolima, no entorno do Estádio Beira-Rio, a égua morreu. (Foto: Mateus Bruxel / Agência RBS)Indexador: Mateus Bruxel<!-- NICAID(14433294) -->
Sargento Negreiros montou a égua nos últimos cinco anos; ele se aposentou na sexta-feiraFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros