Magali Moraes: obrigada, Laje de Pedra - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Coluna da Maga20/05/2020 | 09h00Atualizada em 20/05/2020 | 09h00

Magali Moraes: obrigada, Laje de Pedra

Colunista escreve às segundas, quartas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes: obrigada, Laje de Pedra Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Lugares que carregam nossas memórias não poderiam fechar antes da gente ter a chance de dizer adeus. Foi com tristeza que li sobre o encerramento do Hotel Laje de Pedra, em Canela. Uma coisa tão improvável quanto a pandemia do coronavírus. Tomara que algum dia você tenha tido a alegria de conhecer essa atração turística da Serra Gaúcha. O Laje de Pedra era um hotel tão família que deve estar presente em incontáveis álbuns de fotos: dos beeem antigos aos rolos de câmera dos smartphones.

Fico imaginando quantos ônibus de excursões deram aquela paradinha clássica na frente do hotel. Quantas pessoas desceram pra admirar a vista do Vale do Quilombo. Quantas crianças perguntaram aos pais "Falta muito pra chegar?" ainda nas primeiras curvas da estrada, ansiosas pra correr pelo terreno do Laje. O café da manhã era sempre lotado, mas tinha pão de queijo pra todos. E lá vinha o Capitão Quati, de pijama e escova de dentes na mão, dar bom dia à criançada sonolenta.

Leia outras colunas da Maga

Migalha

Do lado de fora, quatis de verdade esperavam qualquer migalha de pão. Como ir pra rua no auge do inverno se a cerração cobria tudo de branco? Chocolate quente!! Lembro de nós quatro dividindo o mesmo quarto, dos guris crescendo e reclamando dos pés pra fora do sofá-cama. Meus filhos aprenderam a andar de bicicleta já grandinhos nas ruas vazias ao redor do hotel. Até hoje, quando a gente vai passar o dia em Gramado e Canela, dá uma voltinha até lá. Dava. Tanto verde e paz. 

Li que o hotel doou suas roupas de cama e banho para um hospital, e senti um nó na garganta. Quantos casais em lua-de-mel se abraçaram naqueles lençóis? Quantas crianças fizeram guerra de travesseiro? Quantas mães reclamaram das toalhas molhadas em cima da cama? E quantos lugares especiais o coronavírus ainda vai quebrar? Laje de Pedra, são tantas lembranças lindas! Em nome da minha família e de muitas outras, agradeço pela acolhida. A Serra Gaúcha perdeu, perdemos todos nós.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca