Manoel Soares relata conversa com morador de rua: "Perdemos muito ao sermos preconceituosos" - Notícias

Versão mobile

 
 

Papo Reto06/06/2020 | 05h00Atualizada em 06/06/2020 | 05h00

Manoel Soares relata conversa com morador de rua: "Perdemos muito ao sermos preconceituosos"

Colunista escreve para o Diário Gaúcho aos sábados 

Manoel Soares relata conversa com morador de rua: "Perdemos muito ao sermos preconceituosos" Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
André Souza deu uma lição de vida Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Quando passei de carro e vi sentado na calçada o morador de rua André Souza, concentrado nas páginas do livro O Nome da Rosa, de Umberto Eco, fiquei espantado. Parte do meu espanto é porque André, apesar de estar na condição de morador de rua, ainda assim tentava mergulhar no mundo literário. Tomei a liberdade de interromper o momento de leitura para tentar entender o que estava acontecendo na cabeça daquele homem que, na calçada, voltava pelo 400 anos por meio do livro – que conta um mistério que se passa na Itália, na época medieval. Na conversa, pude ver que ele está consciente do mundo em que vive.

Leia mais colunas de Manoel Soares

André me disse que, nas ruas, é mais fácil ser um cachorro do que um homem negro. Ele leva um dia inteiro pra conseguir uma doação de R$ 20 para alimentar-se, mas, para seu cachorro, em uma hora consegue cinco quilos de ração. André é um exemplo de como perdemos muito ao sermos preconceituosos com quem está em situação de exclusão social. Perguntei a ele o que recomendaria para que as pessoas se tornem mais humanas, ele me disse: “Leiam Umberto Eco”.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros