Magali Moraes e o poder do ar quente - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Coluna da Maga10/07/2020 | 09h00Atualizada em 10/07/2020 | 09h00

Magali Moraes e o poder do ar quente

Colunista escreve às segundas, quartas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes e o poder do ar quente Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

O que você faz com o secador de cabelos? Vai me dizer que só usa depois do banho? Eu nunca seco os meus crespos, o vento que faça seu serviço e me surpreenda. Então achei uma boa utilidade pro secador aqui de casa: descolar fotos coladas em álbuns antigos. E bota coladas nisso! Você lembra como era lá no período pré-histórico, né? Havia dinossauros circulando, e os humanos guardavam as suas fotos em álbuns com plastiquinhos grudentos que as protegiam.

Essa pandemia faz a gente inventar cada uma! Decidimos trazer lá do armário da garagem duas caixas cheias de álbuns pra separar as melhores fotos e digitalizar. É um belo pedaço das nossas vidas registrado ali. E também é uma garantia de diversão para os netos e bisnetos. Bom, deixa eu explicar a minha técnica revolucionária. Você vai precisar de um secador de cabelos, muita paciência, alguma unha pra levantar o cantinho da foto e tomara que suas pontas de dedos aguentem firme o calor.

Leia outras colunas da Maga

Pilha

Perdi a conta de quantas fotos descolei cuidadosamente. Elas envergam, mas nada que uma pilha de livros em cima não conserte. Meus dedos assaram. O papel furou a pele embaixo da unha. E valeu. Agora é só selecionar as melhores pra digitalizar. Passamos o domingo inteiro entretidos nisso. Chovia lá fora. E eu embaçava os olhos cada vez que via numa foto um familiar querido que não vive mais. Parava tudo e mandava a foto da foto pros irmãos, mãe e primos. As engraçadas também. 

Descobri que a humanidade evoluiu muito no ato de fotografar. As fotos do meu casamento poderiam ter sido tiradas pelo padre (com todo respeito). Até os fotógrafos profissionais do passado eram limitados. Ter uma câmera no celular nos faz praticar demais. A quantidade traz qualidade. Melhoramos nos enquadramentos, na luz, na escolha do que registrar. E tudo é mais espontâneo. Fica a dica pro fíndi. Use o secador de cabelos pra libertar suas fotos antigas que merecem durar muito mais.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros