Magali Moraes: caderno ou computador? - Notícias

Versão mobile

 
 

Coluna da Maga07/08/2020 | 09h00Atualizada em 07/08/2020 | 09h00

Magali Moraes: caderno ou computador?

Colunista escreve às segundas, quartas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes: caderno ou computador? Fernando Gomes/Agencia RBS
Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Escrevo sempre no computador. Quase todos os dias. Também faço muitas anotações no bloco de notas do celular. Mas como é bom ter papel pra escrever! Será que eu ando nostálgica? Peguei a mania de ter um caderno na mesa de trabalho. Vou anotando coisas importantes em reuniões, a lista de tarefas do dia, um lembrete de algo pra resolver mais tarde, uma frase de efeito que alguém disse. Posso até rabiscar meus segredos porque ninguém vai entender a letra - nem eu às vezes. 

Talvez eu me sinta à vontade com esse caderno por estar trabalhando de casa. Sozinha, sem curiosos espiando por cima do ombro. Essa liberdade faz meus garranchos multiplicarem. Não respeito linhas e margens. As páginas em branco são só minhas. Parece que me organizo melhor mentalmente. Se precisar, volto atrás pra reler. Se quiser, desenho palitos. O que diriam os colegas se eu fizesse isso perto deles? Uma doida psicografando e pulando da tela pro papel, do papel pra tela.

Leia outras colunas da Maga

Importante

Ter um caderno ao lado do computador virou tão importante quanto os fones de ouvido para as reuniões. Já completei o primeiro e estou na metade do segundo. Gastei algumas canetas, o que era raro acontecer. Uma caneta sempre some dentro da bolsa. Em cima da mesa, eu sei onde está. Tenho uma caneca cheia delas. O bom de escrever em caderno é que dá pra mudar a cor da caneta e usar marca-texto. Sabe aquelas bem coloridas? Posso sublinhar até bobagens se ajudar a alegrar o dia. 

Esticando o braço, eu alcanço os post-its (também coloridos) e a caixinha com papéis soltos pra bilhetes. O computador vira um mural de recados pra eu mesma (como se as folhas em branco do caderno não fossem suficientes). Quando o expediente termina, fecho os dois. Recolho as canetas. Desligo o cérebro. Descanso os dedos. Na manhã seguinte, o ritual recomeça. No computador, a letra é bonita e as frases correm soltas. No caderno, escrevo no meu tempo. Sem querer, faço um diário.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros