Magali Moraes: Milena, me ajuda - Notícias

Versão mobile

 
 

Coluna da Maga23/11/2020 | 09h00Atualizada em 23/11/2020 | 09h00

Magali Moraes: Milena, me ajuda

Colunista escreve às segundas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes: Milena, me ajuda Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Hoje não tem assunto levinho pra começar a semana. Tem tristeza profunda, vergonha, dor e raiva. Impossível não falar (cada vez mais) sobre o assassinato de Beto Freitas quinta passada aqui em Porto Alegre. E se fosse você a mulher que ouviu "Milena, me ajuda"? E se fosse seu filho o homem espancado no estacionamento do Carrefour? E se fosse sua amiga a funcionária que assistiu a tudo e tentou impedir a gravação desse vídeo que já rodou o mundo? E se fosse você?

Comprovaram que ele deu o primeiro soco e tinha antecedentes criminais. Por acaso isso justifica tamanha violência? "Só me deixa respirar." O fato é que aqueles dois seguranças brancos quiseram, sim, agredir até a morte um homem preto. Fazer justiça com as próprias mãos (e joelhos, pés). Racismo descarado, nojento e inaceitável. Certamente se o cliente fosse branco, teria sido apenas um mal entendido. Os protestos Brasil afora só comprovam que ninguém suporta mais ficar calado.

Leia outras colunas da Maga 

Desculpa

Sou uma mulher branca e privilegiada. O mínimo que posso fazer é usar esse espaço nobre e pedir desculpa por todas as vezes em que fui racista sem me dar conta. Quando atravessei a rua desconfiada pela presença de um homem preto. Pelas expressões com teor racista que (por ignorância) falei ou escrevi. Você não faz ideia de quantas existem, e provavelmente diz também. Pelas vezes em que achei normal ter poucas pessoas pretas no colégio, no meu prédio, nos lugares onde já trabalhei.

O racismo estrutural é um tumor desde sempre entre nós. Procure se informar mais sobre isso. O estrago vem lá do descobrimento do Brasil, do abuso dos índios, da escravidão. Hoje não basta não ser racista, a gente precisa ser anti racista. Demonstrar com nossas atitudes que não importa a cor da pele. Pro Carrefour, meu repúdio. Pra Milena, meus sentimentos. Pro Beto, meu nó na garganta. Pra você, que não se acha racista, meu pedido: reflita. Cada um de nós é potência pra mudar essa realidade.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros