Proibição da utilização de parques e praças gera dúvidas e críticas em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

Novo decreto04/12/2020 | 08h56Atualizada em 04/12/2020 | 08h56

Proibição da utilização de parques e praças gera dúvidas e críticas em Porto Alegre

Guarda Municipal pretende reforçar orientação em ações ostensivas a partir de sexta

Proibição da utilização de parques e praças gera dúvidas e críticas em Porto Alegre Eduardo Paganella/Agência RBS
Quadra de beach tennis na Praça da Encol Foto: Eduardo Paganella / Agência RBS

O novo decreto da prefeitura de Porto Alegre, com base na determinação estadual, gera dúvidas e incompreensão em usuários de parques e praças da capital. Pela medida, está vedada a aglomeração de pessoas em locais abertos, e também não é permitido que permanência em parques, praças e locais abertos ao público, sendo autorizada apenas circulação e realização de exercícios físicos, observado o distanciamento mínimo de um metro, uso obrigatório de máscara cobrindo boca e nariz e a lotação de 50% da capacidade.

A reportagem circulou nesta quinta-feira por parques e praças de Porto Alegre e conversou com usuários. Muitos nem sabiam que permanecer em praça e parques abertos já não é mais permitido. Na Redenção, o técnico em manutenção de elevadores, Gerson Krause, de 46 anos, descansava antes de um atendimento. Pelo decreto, a ação não é permitida.

— Eu concordo em algumas partes. Mas no supermercado, loja, shopping, é mais perigoso. Ficar sozinho aqui é melhor — colocou.

Na pracinha da Redenção, a fisioterapeuta Mariana Borges, de 29 anos, brincava com a sobrinha, Olivia, de quatro anos de idade. Com base no decreto, as praças não deveriam ser utilizadas. Mariana foi surpreendida pelo questionamento da reportagem.

— A gente está de máscara, ao ar livre. Nem sabíamos. De máscara, sem aglomeração, acho que não tem problema — disse.

Na praça da Encol, praticantes de beach tennis aguardavam fora da quadra. Ao serem questionados sobre a situação, também estavam surpresos com a medida. O empresário João Vicente Sá, de 52 anos, afirmou que não concorda com o decreto.

— Não faz sentido não poder fazer esportes em grupo ao ar livre, sendo que tem transporte coletivo liberado. É melhor fortalecer a situação de hospitais do que isso — disse ele, que lamentou a possibilidade de fechamento da quadra pública de beach tennis.

Fiscalização

A prefeitura de Porto Alegre foi consultada sobre a situação e disse que seguiu as regras estipuladas pelo governo do Estado. Com o decreto, a Guarda Municipal e a Brigada Militar vão ser responsáveis pela fiscalização em praças e parques de Porto Alegre, já que existem mais de 600 espaços espalhados pela capital. Segundo o comandante da Guarda Municipal, Marcelo Nascimento, as ações ostensivas devem ocorrer a partir desta sexta-feira, mas buscando orientar e convencer as pessoas sobre a situação com bom senso. As autoridades também deverão discutir nos próximos dias se haverá fechamento de quadras de esportes em praças e parques. 

— A principal preocupação é com as aglomerações em locais abertos. Vamos trabalhar na orientação, para evitar situações como essa. Mas também será nosso trabalho orientar pequenos grupos —  disse.

A prefeitura afirma que solicitará que a fiscalização fique sob responsabilidade da Brigada Militar, já que a Capital conta com mais de 600 praças e parques.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros