Troca de livros, coleta de óleo e de lixo eletrônico: moradora promove ações sustentáveis na escadaria 24 de Maio - Notícias

Versão mobile

 
 

Centro Histórico17/01/2021 | 12h48

Troca de livros, coleta de óleo e de lixo eletrônico: moradora promove ações sustentáveis na escadaria 24 de Maio

Todo sábado, Eva Marlete Campos convida os vizinhos a colaborar com o ambiente

Troca de livros, coleta de óleo e de lixo eletrônico: moradora promove ações sustentáveis na escadaria 24 de Maio Isadora Neumann / Agencia RBS/Agencia RBS
Eva é responsável por recolher óleo de cozinha e eletrodomésticos e encaminhá-los à reciclagem Foto: Isadora Neumann / Agencia RBS / Agencia RBS
GZH
GZH

Todo sábado é assim: a comerciante aposentada Eva Marlete Campos, 78 anos, transforma a escadaria 24 de Maio, no Centro Histórico de Porto Alegre, em um reduto de sustentabilidade. Logo pela manhã, ela monta uma estrutura para receber quem quiser colaborar com o ambiente – dá para doar ou trocar livros, descartar óleo de cozinha usado e entregar lixo eletrônico para reciclagem.

— Claro que dá um trabalhinho, mas eu faço com o maior prazer. Todo mundo sai ganhando — afirma Eva, que mora em frente à escadaria há 40 anos e é presidente da Associação dos Amigos da Vinte e Quatro de Maio e Adjacências (Amivi).

Há quatro anos, ela decidiu se desfazer de uma biblioteca particular até então guardada em casa. Expôs as obras na escadaria e ficou esperando quem quisesse levá-las. A iniciativa deu tão certo que no fim de semana seguinte ela colocou mais livros no local. Acabou virando tradição: se não chover, os degraus viram uma espécie de feirinha, com mesas, cadeiras, cartazes e leitura para todos os gostos.

Todo sábado, escadaria vira ponto de troca e doação e livrosFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Assim que percebeu que a iniciativa vingou, Eva decidiu fazer mais. Perto dos livros, em um cantinho da escadaria, ela coloca um tonel azul, onde os moradores da região podem descartar garrafas com óleo de cozinha usado. De tempo em tempo, o material é recolhido por uma empresa especializada nesse tipo de coleta.

— No início o pessoal não estava muito acostumado, mas agora todo mês ele enche. Da última vez que vieram buscar, tinha 40 litros. É menos óleo indo para os dutos – comemora.

Também foi graças à moradora do número 53 que a vizinhança ganhou um ponto para o descarte de lixo eletrônico. Segundo Eva, há alguns anos, era comum encontrar móveis e eletrodomésticos atirados nos degraus da escadaria. Hoje, itens como micro-ondas, televisão, liquidificador, máquina de lavar roupa e secador de cabelo são entregues diretamente a ela, que recolhe tudo e encaminha para reciclagem.

— A sustentabilidade tem início na nossa rua e se estende para o bairro, para a cidade e para o planeta. Não podemos ficar esperando pelos outros, é preciso começar — ensina ela, que volta e meia também promove eventos de arte, dança e música na escadaria colorida.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros