Um mês de vacinação no RS: o que se sabe sobre as próximas fases da imunização - Notícias

Versão mobile

 
 

Contra o coronavírus17/02/2021 | 10h14Atualizada em 17/02/2021 | 10h14

Um mês de vacinação no RS: o que se sabe sobre as próximas fases da imunização

Depois de trabalhadores da linha de frente contra a covid-19 e de idosos com mais de 80 anos, Estado deve contemplar mais grupos prioritários antes de ampliar a distribuição

Um mês de vacinação no RS: o que se sabe sobre as próximas fases da imunização Mateus Bruxel / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS / Agencia RBS

Um mês após o início da vacinação contra a covid-19, em 18 de janeiro, diversos municípios do Rio Grande do Sul já começaram a aplicar a segunda dose da vacina. As 6.675 doses, conforme dados atualizados pela Secretaria Estadual da Saúde (SES) até esta terça-feira (16), foram aplicadas em pessoas dos primeiros grupos prioritários, a maioria em profissionais de saúde, seguidos por população indígena e portadores de deficiência de residências inclusivas.

Ao vacinar antes os grupos prioritários, o Estado segue as diretrizes do Plano Nacional de Imunizações. O governo explica que a prioridade é estabelecida por meio da avaliação de risco de mortalidade do grupo ou por questões de manutenção de atividades essenciais para a sociedade.

Em seu Plano Estadual de Vacinação contra covid-19 do Rio Grande do Sul, a SES informa que há intenção de ofertar a vacinação contra a covid-19 a toda a população brasileira para a qual o imunobiológico esteja aprovado, de maneira gradual. Mas, primeiro, é necessário dar continuidade à imunização dos grupos prioritários. A sequência do cronograma de vacinação dependerá da aquisição e distribuição de novas doses.

Confira, a seguir, algumas perguntas e respostas sobre o futuro da vacinação no Estado.

Como saber quando serei vacinado?

A sequência do cronograma de vacinação dependerá da aquisição e distribuição de novas doses. O RS segue o cronograma do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde.

É preciso tomar a segunda dose?

O esquema vacinal completo com duas doses é necessário para obter a resposta imune esperada para a prevenção da covid-19. A segunda dose da CoronaVac deve ser aplicada de duas a quatro semanas depois da primeira. Para a Oxford/AstraZeneca, a prescrição é de 12 semanas de intervalo.

Confira qual o seu lugar na fila da vacina

Quando mais doses vão chegar ao Estado?

O Ministério da Saúde define a data para as distribuições e informa a Secretaria Estadual da Saúde (SES). Já houve quatro remessas, sendo três lotes da CoronaVac e um de Oxford.

O primeiro lote, com 341,8 mil vacinas CoronaVac, chegou em 18 de janeiro. Outras 116 mil vacinas da Oxford/AstraZeneca foram recebidas em 24 de janeiro, e a terceira remessa, de 53,4 mil doses da CoronaVac, em 1º de fevereiro. Em7 de fevereiro, chegaram mais 193,2 mil doses da CoronaVac.

Acompanhe o avanço da vacinação pelo mundo

Ser vacinado significa que eu posso deixar de usar máscara e manter o distanciamento?

A orientação é que as pessoas vacinadas mantenham as medidas de proteção até que a maior parte da população esteja vacinada, o que deve demorar algum tempo. Só então será possível atingir a chamada "imunidade de rebanho". Enquanto esse estágio não for alcançado, não há garantia de que as pessoas vacinadas não possam ser vetores da doença.

Usar máscaras e manter o isolamento social será importante tanto para você se proteger, caso seja parte da minoria das pessoas em que a vacina não gerará efeito imunizante, quanto para proteger outras pessoas.

Painel mostra os números do coronavírus no RS

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros