Empresa diz que válvula do tanque de oxigênio do hospital de Campo Bom estava "indevidamente" fechada, o que fez o alarme soar - Notícias

Versão mobile

 
 

Vale do Sinos07/06/2021 | 21h50Atualizada em 07/06/2021 | 21h50

Empresa diz que válvula do tanque de oxigênio do hospital de Campo Bom estava "indevidamente" fechada, o que fez o alarme soar

Incidente ocorreu na manhã desta segunda-feira na mesma instituição na qual seis pessoas morreram em 19 de março

Empresa diz que válvula do tanque de oxigênio do hospital de Campo Bom estava "indevidamente" fechada, o que fez o alarme soar IGP / Divulgação/Divulgação
Air Liquide informou que cargas de oxigênio foram repostas Foto: IGP / Divulgação / Divulgação

A Air Liquide, empresa que fornece oxigênio ao Hospital Lauro Reus, de Campo Bom, revelou que o problema registrado na casa de saúde na manhã desta segunda-feira (7) ocorreu porque a válvula do tanque principal de oxigênio estava "indevidamente fechada". O abastecimento estava sendo feito pelo sistema de backup, segundo a empresa. A direção do hospital havia confirmado que o alarme do sistema de oxigênio soou e que o motivo era desconhecido. 

Segundo nota da Air Liquide, a empresa foi acionada pela equipe de manutenção do hospital "para verificar a queda na pressão do sistema de distribuição de oxigênio. A Air Liquide atendeu prontamente ao chamado e, ao chegar no Hospital, constatou que a válvula do tanque de oxigênio estava indevidamente fechada e o abastecimento sendo feito pelos cilindros da central backup, que estavam integralmente disponíveis. A empresa desconhece os motivos pelos quais se deu o fechamento da válvula do tanque. O técnico da Air Liquide procedeu à reabertura da válvula e o abastecimento do Hospital voltou a ser feito pelo tanque de oxigênio". 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

A empresa também informou que fez o reabastecimento do sistema reserva que estava sendo usado pelo fato de o tanque principal estar fechado. Segundo a Air Liquide, não faltou oxigênio no hospital.

Outra informação revelada pela empresa foi de que as câmeras que ficam posicionadas diante do tanque principal seguem sem funcionar:

"Esse monitoramento, bem como a gestão do suprimento de oxigênio, cabem à unidade hospitalar. A nova equipe que cuida da manutenção do Hospital, inclusive, já recebeu treinamento da Air Liquide sobre como proceder em situações de emergência. A empresa reitera que a ocorrência foi prontamente atendida e que não houve desabastecimento de oxigênio na unidade".

Contraponto

O que diz o Hospital Lauro Reus
"A Direção do Hospital Lauro Reus informa que: sobre os fatos noticiados na manhã desta segunda-feira (7), não houve qualquer problema de desassistência a paciente ou falta de Oxigênio nas unidades. Informa ainda que, até o presente momento (16:13), juntamente com a Assessoria Jurídica, está verificando as informações prestada e divulgadas pela Air Liquide sobre o chamado de hoje, onde a empresa atendeu imediatamente à direção.

Porém, somente e após verificar todas as circunstâncias (motivo do alarme, posição da válvula e funcionamento das câmeras de segurança) que envolvem o soar do alarme por 4 minutos, irá tomar as providências cabíveis. Conforme o que for apurado, caso haja suspeita de sabotagem na válvula, a direção deverá efetuar imediatamente registro de Boletim de Ocorrência Policial e possivelmente nova sindicância. O abastecimento segue normal, mas caso seja constatado novo problema técnico no equipamento a empresa será chamada à se explicar."



 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros