Manoel Soares: "Uma sociedade sem polícia é onde a barbárie impera" - Notícias

Versão mobile

 
 

PAPO RETO 12/06/2021 | 05h00Atualizada em 12/06/2021 | 05h00

Manoel Soares: "Uma sociedade sem polícia é onde a barbárie impera"

Colunista escreve no Diário Gaúcho aos sábados.

Manoel Soares: "Uma sociedade sem polícia é onde a barbárie impera" Instagram Kathlen Romeu / Reprodução/Reprodução
A jovem Kathlen, grávida, foi morta por um tiro de fuzil no Rio de Janeiro Foto: Instagram Kathlen Romeu / Reprodução / Reprodução

Uma sociedade sem polícia é onde a barbárie impera. Quem acha que deveríamos acabar com a polícia nunca viveu em uma favela onde a polícia não entra. Volta e meia, ficamos dependo do humor de um menino de 22 anos que chefia o tráfico local. Se ele está a fim de curtir música até as sete da manhã em volume máximo, temos que aceitar. Se ele está mordido com algo e quer que a festa de aniversário de sua vó não aconteça, ele manda parar. 

Já conhecia muitos "nego véio" do crime que tratavam as quebradas com respeito e seguiam um "código" da velha escola da bandidagem. Hoje, são raros. 

Leia mais colunas de Manoel Soares 

Por outro lado, tem algo de errado com nossas polícias. Eles têm um regulamento a seguir, mas a pancadaria do dia a dia faz alguns ignorarem as diretrizes e agir pior que bandidos. A morte da Kathlen, jovem grávida no Rio de Janeiro, é um exemplo, mas em nosso Estado não vamos longe quando falamos de absurdos. Policiais no Presídio Central agrediram o advogado Ismael Schmitt por acharem que ele não parecia ser advogado. Chegaram a quebrar a carteira dele da OAB sem nem explicar o porquê de tanta violência. Atitudes assim fazem as pessoas fragilizadas estarem mais conectadas aos bandidos que à polícia, o que é um erro, mas também é um fato. A moral é não aplaudir os acertos do crime nem os erros da farda.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros