Magali Moraes e o vento encanado - Notícias

Versão mobile

 
 

Coluna da Maga02/07/2021 | 09h00Atualizada em 02/07/2021 | 09h00

Magali Moraes e o vento encanado

Colunista escreve às segundas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes e o vento encanado Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

De onde ele vem? Por que aparece assim do nada, sempre gelado? O vento encanado não tem piedade. Nos pega de surpresa, parece que entra nos ossos. Ele quer ser comentado, sabe? É misterioso, gosta que o procurem pela casa inteira. Tá vindo de qual fresta de janela? De que porta entreaberta? Descubra rápido. E tomara que você não esteja saindo do banho quente nesse momento. O vento encanado, também conhecido como corrente de ar, vai te pegar de jeito até na esquina.

Agora me diz: de onde veio tanto frio essa semana? Antes fosse só vento encanado. Aqui em Porto Alegre fez o famoso frio de renguear cusco. O gaúcho tirou o poncho do armário, e também todas aquelas piadas infames sobre a nossa resistência ao frio. Tipo 3 graus e "finalmente refrescou, dá pra usar uma manguinha". Ah se as piadas fossem lenha na lareira pra nos aquecer. O que a gente queria mesmo era se enrolar num cobertor e esperar passar. Outono, volta aqui e fica até a primavera chegar.

Leia outras colunas da Maga

Remoto

Foi uma semana de banhos facultativos, pode confessar. Me disseram que dava pra escolher entre tomar banho remoto ou presencial (de novo o bom humor dos gaúchos). Teve de tudo: temperaturas negativas, chuva congelada, neve na serra e, claro, turistas faceiros. Pena que o coronavírus sobrevive ao frio. Por mim, a experiência do inverno já poderia ser concluída com sucesso. Já tiritei de frio, dormi de roupa, tomei bastante sopa e nem as meias forradas de pele impediram os pés gelados. 

E se a gente juntar vento (encanado ou não), frio, chuva, umidade e lembrar de quem não tem uma casa quentinha como a nossa? A campanha do agasalho tá aí, esperando a solidariedade trazer boas notícias já que a previsão do tempo só tende a piorar. Aproveita o fíndi pra dar uma geral no guarda-roupa e separar pijamas, tênis, blusões, casacos, mantas, toucas, luvas e cobertores que podem aquecer muitas pessoas em situação de rua ou famílias que perderam a renda. Empatia e compaixão!


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros