Magali Moraes: olimpíadas ou sono - Notícias

Versão mobile

 
 

Coluna da Maga30/07/2021 | 09h00Atualizada em 30/07/2021 | 09h00

Magali Moraes: olimpíadas ou sono

Colunista escreve às segundas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes: olimpíadas ou sono Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Existem três tipos de pessoas no momento: as que amam Olimpíadas e passam a noite em claro acompanhando tudo, as que não estão nem aí para os jogos e as que curtem as Olimpíadas, mas gostam muito mais de uma boa noite de sono. Faço parte desse último grupo. Não me leve a mal, tá? É que dormir bem virou uma obsessão pra mim. Acordar às 4h da manhã e demorar quase duas horas pra pegar no sono de novo... Essas são as minhas parciais, por mais que eu treine a respiração profunda.

Garanto que alguém deve estar pensando: se tu acordar agora é só ligar a TV e acompanhar as Olimpíadas! Por favor, se coloque no lugar de quem sofre com insônia. A gente não quer espiar as horas no celular, não quer acender a luz pra ir no banheiro de madrugada, não quer ouvir ronco que desconcentra. Muito menos ver TV. Queremos fechar os olhos e pegar no sono em tempo recorde. Com sorte, babar no travesseiro. O fuso horário do Japão é a insônia nos vencendo nos 100 metros rasos.

Leia outras colunas da Maga

Ouro

Neste insano 2021, ouro pra mim é dormir uma noite inteira. E tomara que o remedinho da vez seja o fitoterápico, não o reservado para o caso de desespero. Sabe a adrenalina que você sente ao acompanhar os atletas na madrugada? Sinto ela invadir meu corpo cansado cada vez que eu frito na cama, sem condições de cronometrar quanto tempo ainda vou levar até dormir. Os atletas dormirão o sono dos justos. Já o meu lugar no pódio é feito de menos bocejos de dia e mais horas de sono à noite.

Ao acordar, a internet rapidamente me atualiza de tudo: a fadinha que trouxe a prata no skate, o choro emocionado do Ítalo Ferreira com o ouro no surfe, a roubada na prova do Gabriel Medina, o meme da Gal Costa conquistando prata nos 800m livres, o estranho ritual da judoca alemã que pede pro técnico dar tapas na sua cara. Durante o dia, seguirei acompanhando os bastidores das Olimpíadas no Instagram do jogador de vôlei Douglas Souza (@douglasouza). De madrugada, a grande vitória é dormir bem.    


 
 
 
 
 
 

Mais sobre

 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros