Magali Moraes: paizão ou paizinho - Notícias

Versão mobile

 
 

Coluna da Maga06/08/2021 | 09h00Atualizada em 06/08/2021 | 09h00

Magali Moraes: paizão ou paizinho

Colunista escreve às segundas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes: paizão ou paizinho Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Como você chama o seu pai? Por um diminutivo carinhoso ou um apelido que só aumenta a sua admiração por ele? Pode chamar do mesmo jeito a vida inteira ou ir inventando novas formas de identificar esse cara tão especial. Tem gente que sempre chamou o pai de senhor por uma questão de costume ou respeito. Antigamente era comum, mas também deve acontecer hoje em dia. Tem filho que prefere chamar seu pai pelo nome. Pode ser João, Francisco, Marcelo, Ricardo ou Pedro. No fundo, pai.

E quando os filhos chamam paieeeê, e eles saem correndo pra alcançar toalha, papel higiênico, remédio, o que for? Que sensação incrível chamar o pai e ele te ouvir. Porque está perto, a poucos passos. Porque atravessa a cidade pra te ajudar. Porque gosta de te ouvir, presta atenção no que você tem a dizer, se alegra ao escutar a sua voz nem que seja no áudio do WhatsApp. Ouve até o que você pensou e nem teve coragem de dizer. Dá colo e conselho. É pai 24 horas, de segunda a segunda, chova ou faça sol.

Leia outras colunas da Maga

Empatia

Pros filhos que chamam os seus pais de nomes impublicáveis aqui neste espaço, eu recomendo conversa, empatia e terapia. Bora abrir o coração e recuperar o tempo perdido. O mesmo vale para os pais que não se entendem com seus filhos, que fogem dos problemas, que não conseguem consertar a relação. Tentem de novo, não desistam. Se perder um pai maravilhoso deixa pra sempre um buraco na gente, imagine perder um pai que está vivo, mas que é ausente e age como se não existisse. 

Palmas para os pais que vão nas festinhas da escola. Que sentam no chão pra brincar junto. Que cozinham para os filhos. Que convidam a praticar algum esporte. Que explicam a matéria da aula. Que fazem cafuné e cosquinha. Que dão bronca e sabem que educar não é fácil. Que são presentes, fazem seus filhos se sentirem amados e recebem em troca um montão de carinho. Pra todos os pais e filhos que vão se abraçar muito nesse domingo (e os que vão fazer isso em pensamento): feliz dia!! 


 
 
 
 
 
 

Mais sobre

 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros