Anvisa investiga morte, mas mantém indicação da vacina da Pfizer para adolescentes - Notícias

Versão mobile

 
 

Covid-1917/09/2021 | 09h09Atualizada em 17/09/2021 | 09h09

Anvisa investiga morte, mas mantém indicação da vacina da Pfizer para adolescentes

Agência informa que, até o momento, "não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina"

Anvisa investiga morte, mas mantém indicação da vacina da Pfizer para adolescentes Antonio Valiente / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS / Agencia RBS
GZH
GZH

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, no final da tarde desta quinta-feira (16), que  investiga o caso da morte de uma adolescente de 16 anos após aplicação da vacina da Pfizer contra a covid-19, no Estado de São Paulo. Em comunicado, a agência esclareceu que  foi informada em 15 de setembro sobre uma reação adversa grave ocorrida com um adolescente em 2 de setembro, após o uso do imunizante.

"No momento, não há uma relação causal definida entre este caso e a administração da vacina. Os dados recebidos ainda são preliminares e necessitam de aprofundamento para confirmar ou descartar a relação causal com a vacina", diz o comunicado. 

O órgão afirma, ainda, que se comunica com outras autoridades públicas para tratar sobre o assunto e adotará todas as ações necessárias para a rápida conclusão da investigação. "Entretanto, com os dados disponíveis até o momento, não existem evidências que subsidiem ou demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina." Anvisa, Pfizer e  os responsáveis pela investigação do caso em São Paulo farão uma reunião para tratar sobre o assunto.

Leia mais
Ministro aponta erros de aplicação em Estados e diz ter limitado vacinação de adolescentes por cautela com eventos adversos
Presidente do Cosems/RS afirma que vacinação de adolescentes sem comorbidades será suspensa no RS a partir dos próximos lotes
Municípios do RS suspendem ou reavaliam a vacinação de adolescentes após publicação de nota do Ministério da Saúde

"Até o momento, os achados apontam para a manutenção da relação benefício versus o risco para todas as vacinas, ou seja, os benefícios da vacinação excedem significativamente os seus potenciais riscos", completa o documento da Anvisa.

A agência aprovou a utilização da vacina da Pfizer para crianças e adolescentes entre 12 e 15 anos em 12 de junho de 2021. Para essa aprovação, foram apresentados estudos de fase 3, dados que demonstraram sua eficácia e segurança. 

Entenda

Na noite de quarta-feira (15), o Ministério da Saúde emitiu  uma nota informativa aos Estados e municípios, revisando a orientação sobre a vacinação contra a covid-19 para adolescentes sem comorbidades. A nota informa que a pasta não recomenda mais a aplicação da vacina no público de 12 a 17 anos. O ministério mantém, no entanto, a orientação para que a vacinação siga em adolescentes de 12 a 17 anos que apresentem deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade. 

Na tarde desta quinta, em coletiva de imprensa, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, detalhou a decisão.  Segundo ele, a mudança foi revista por cautela, em função de 1,5 mil eventos adversos. Entre eles, 93% referem-se à aplicação de vacinas que não foram aprovadas pela Anvisa para esse público. No total, cerca de 3,5 milhões de adolescentes foram imunizados no país, incluindo os que possuem comorbidades ou não. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros