Cris Silva: ¿Um chefe tóxico foi meu limite¿ - Notícias

Versão mobile

 
 

Posso Entrar?17/09/2021 | 08h00Atualizada em 17/09/2021 | 08h00

Cris Silva: ¿Um chefe tóxico foi meu limite¿

Colunista traz histórias inspiradoras de vida e trabalho todas as sextas-feiras

Cris Silva: ¿Um chefe tóxico foi meu limite¿ Agência RBS/Agência RBS
Cris Silva Foto: Agência RBS / Agência RBS

Qual o nosso limite? O que nos faz continuar ou não numa situação humilhante? A história de hoje fala um pouco sobre esse sofrimento que enfrentamos até chegar a coragem de dizer: basta! A administradora Sandra, moradora da Capital, fez isso. Criou um negócio do zero, que se encaixasse dentro do tempo dela.

Com vocês, Sandra Pereira Marcolin, 37 anos, mãe da Eduarda e proprietária da História Singular.

Leia outras colunas da Cris Silva

FOI ASSIM

“Sempre trabalhei em grandes empresas, desde a época da faculdade. Sou formada em Administração de Empresas pela UFRGS e fiz uma pós em Marketing Estratégico. No total, foram 13 anos nessa área. Eu era a típica “guria de escritório”, uma agenda cheia de reuniões, pauta com mil coisas, almoços no refeitório, pegando ônibus pra ir e voltar do trabalho e, chegando em casa cansada, às vezes estressada demais. Sempre muita correria.”

Sandra Pereira Marcolin, 37 anos, mãe da Eduarda e proprietária da História Singular<!-- NICAID(14890149) -->
Foco na filha e na felicidadeFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

A MUDANÇA

“Quando engravidei, com 35 anos, já não estava feliz na empresa, e tinha um chefe tóxico que me fazia sair da sala dele sempre pior do que entrava. Um dia, fui tão humilhada que lembro de chegar em casa e chorar muito. Foi então que jurei pra mim mesma (e pro meu marido) que, depois que tivesse nossa filha, não voltaria para lá. Eu não sabia ainda o que faria e onde trabalharia, mas pelo menos sabia o que não queria pra mim. Coloquei na cabeça que minha filha teria orgulho da mãe, e que não levaria para ela nenhuma energia carregada no final de um dia de trabalho.”

O QUE FAZER

“Confesso que empreender não foi a primeira opção que eu estudei. O que imaginava era atualizar meu currículo, fazer alguns contatos no mercado e conseguir um novo emprego na área de Marketing. Só que a conta não fechava! Nas entrevistas e avaliando as vagas, percebia que a rotina que gostaria de ter com a minha filha não seria possível. Então coloquei no papel o que sabia fazer bem, o que gostava de fazer e a vida que eu queria, e foi aí que a ideia de empreender com algo que eu pudesse fazer de casa e com horários flexíveis começou a fazer sentido.”

DONA DO MEU NEGÓCIO 

“Foi um trabalho intenso de autoconhecimento, buscando entender como poderia transformar meu gosto pela escrita e o fato de ser boa ouvinte em um negócio criativo e viável financeiramente. Eis que nasceu a História Singular. São textos, crônicas, para presentear alguém. Hoje, meu negócio é contar histórias de vida de um jeito original. Tudo isso materializado num lindo presente para ser revisitado.”

DAQUI PRA FRENTE

“Sou uma libriana apaixonada pelas coisas belas da vida, e ver uma pessoa emocionada com as palavras que escrevi é um combustível para querer fazer sempre melhor. É o tipo de coisa que faria de graça, se não precisasse de dinheiro. E a minha amada filha é o que me move todos os dias. Pra ficar afastada dela, tem que ser por algo que valha muito a pena.”

Recado da Cris

“O primeiro passo não te leva aonde você quer ir, mas te tira de onde você está.”


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros