Hospital Conceição confirma surto da variante Delta do coronavírus após registro de mais três casos - Notícias

Versão mobile

 
 

Alerta01/09/2021 | 21h47Atualizada em 01/09/2021 | 21h47

Hospital Conceição confirma surto da variante Delta do coronavírus após registro de mais três casos

Conclusão de análises pela Fiocruz, no Rio de Janeiro, não deixa dúvidas de que crise iniciada em 4 de agosto foi provocada pela cepa mais transmissível, identificada pela primeira vez na Índia

Hospital Conceição confirma surto da variante Delta do coronavírus após registro de mais três casos Mateus Bruxel / Agencia RBS/Agencia RBS
Casos tiveram início em 4 de agosto Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS / Agencia RBS

Não há mais dúvidas: o surto de coronavírus enfrentado pelo Hospital Conceição, em Porto Alegre, foi provocado pela variante Delta. Análises de mais três amostras de secreção coletadas de pacientes apontaram a presença da cepa. A conclusão é da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro. As informações foram divulgadas na manhã desta quarta-feira (1º). 

O hospital já tinha duas ocorrências dessa variante, que é mais transmissível e foi identificada pela primeira vez na Índia. Agora são, portanto, cinco casos de Delta no surto.

Leia também
RS aguarda doses do Ministério da Saúde para iniciar vacinação de adolescentes contra covid-19
Porto Alegre é a terceira capital com maior cobertura de segunda dose contra covid-19

De acordo com a médica epidemiologista Ivana Varella, coordenadora do Núcleo de Epidemiologia da instituição, outras 12 amostras de testes ainda aguardam confirmação e devem ter resultado positivo, o que elevará o total de casos de Delta para 17. 

– Os dois casos iniciais confirmados já davam uma forte perspectiva de causa pela variante Delta. Agora, com 17 casos confirmados ou suspeitos, não há dúvidas de que a Delta está envolvida como fonte de infecção desse surto que teve uma característica muito peculiar: um envolvimento de grande número de pacientes em curto intervalo de tempo – comenta Ivana, destacando a alta transmissibilidade da variante, que pode ser de cinco a seis vezes superior na comparação com o coronavírus original.  

O boletim com a atualização mais recente da situação, divulgado na terça-feira (31), indicava 27 mortes e 170 casos confirmados de covid-19 – 96 pacientes e 74 funcionários positivados desde 4 de agosto. 

Entre as vítimas fatais, estão dois pacientes infectados pela Delta. Dos doentes com exames aguardando confirmação, seis deles já faleceram. Trata-se, assim, de oito mortes provocadas, possivelmente, pela variante.  

– Considerando que temos oito casos de envolvimento da Delta, atingimos uma proporção de 30% de pacientes que evoluíram para óbito com ela. Um terço dos óbitos que ocorreram neste surto tem relação com a Delta – detalha a epidemiologista, que acrescenta que, até aqui, o índice de letalidade do surto (número de mortes por covid-19 em relação ao total de pessoas confirmadas com a doença) é muito semelhante ao verificado no hospital como um todo, desde o início da pandemia. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho 

Apesar dos números impactantes relacionados à crise no Conceição, uma das maiores e mais importantes entidades de saúde da Capital e do Estado, com 100% dos serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), considera-se, desde a semana passada, que a situação está sendo controlada. De um total de 16 áreas afetadas (incluindo setores para pacientes e para profissionais de saúde), 12 estão livres, e mais uma deve ter o surto encerrado até amanhã pela manhã. 

O período decorrido para que se possa declarar o encerramento do surto é de 14 dias sem novos diagnósticos. Sobre o cenário atual, Ivana comenta: 

– Estamos lidando com uma variante que tem uma imprevisibilidade. Temos um tempo tanto para encerrar o surto quanto para lidar com as consequências, que são os óbitos. A média de tempo entre o início dos sintomas e o óbito é de 15 a 20 dias. Temos hoje seis pacientes em UTI. 

Em relação à vacinação contra a covid-19 entre os infectados, o hospital informa que o percentual de colaboradores com imunização completa é de 83,8% – há funcionários contratados recentemente, que ainda não tiveram tempo de tomar a segunda dose, e também alguns que se negaram a receber as injeções. No grupo dos pacientes, 63,5% ganharam as duas aplicações. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros