Magali Moraes: mas bah, tchê - Notícias

Versão mobile

 
 

Coluna da Maga20/09/2021 | 09h00Atualizada em 20/09/2021 | 09h00

Magali Moraes: mas bah, tchê

Colunista escreve às segundas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes: mas bah, tchê Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

E não é que chegou mais um 20 de Setembro? Pra quem me lê fora do Rio Grande do Sul, hoje é feriado nesses pagos. Dia do Gaúcho e da Revolução Farroupilha. Como 24 horas é pouco pra mostrar o orgulho de ser gaúcho, as comemorações invadem a semana. Nos CTGs, o vanerão corre solto. Nas escolas, as crianças usam trajes típicos. Nas churrasqueiras, a brasa assa a costela. Nas mãos, o mate é sorvido até roncar a cuia. No Parque Harmonia, as atrações acontecem online.

O Acampamento Farroupilha ter shows transmitidos pela internet por causa da pandemia enfraquece as tradições? Quem nunca toma chimarrão perde pontos? A gauchada que mora do outro lado do oceano consegue manter as raízes à distância? E quem já perdeu o sotaque? O que faz um vivente se sentir gaúcho de fato? Falar tu és e tu vais? Somos todos bairristas? Separatistas? Emoção é só em dia de Gre-Nal, o resto não conta? Quanta pergunta sem resposta. Tô mais perdida que cusco em procissão.

Leia outras colunas da Maga

Carimbo

Se existisse um comprovante que atestasse o nosso nível de gauchismo, eu desconfio que o bah seria como um carimbo. Diz bah em cada frase? Ganha duas carimbadas. Chama de guri e guria, sabe usar a expressão "bem capaz" com 20 significados e entonações diferentes? Parabéns, tchê! Chama carne moída de guisadinho, acidente de carro de pechada, bergamota de berga, pão francês de cacetinho (com mumu e chimia)? Tri legal! Espera que o teu Certificado de Gaúcho vai chegar pelo correio.

Quando me oferecem chimarrão e eu recuso, me sinto uma gaúcha falsificada. Mas quando me escuto falar e percebo o forte sotaque (impossível disfarçar), sei o quanto sou daqui. Pra mim, churrasco é sinônimo de domingo. E por mais que eu não lembre a última vez que me vesti de prenda (quarta série?), carrego o Rio Grande no peito. Ser da capital ou interior, morar em apartamento ou estância, comer xis coração ou hambúrguer gourmet, andar de Uber ou a cavalo. Nada disso importa. Feliz nosso dia!  


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros