Pessoas que testam positivo após a vacinação têm riscos menores de hospitalização do que as não vacinadas, diz estudo - Notícias

Versão mobile

 
 

Covid-1903/09/2021 | 10h37Atualizada em 03/09/2021 | 10h38

Pessoas que testam positivo após a vacinação têm riscos menores de hospitalização do que as não vacinadas, diz estudo

Pesquisa também identificou maior fragilidade à infecção depois da primeira dose em indivíduos com 60 anos ou mais, e também naqueles que vivem em áreas extremamente carentes

Pessoas que testam positivo após a vacinação têm riscos menores de hospitalização do que as não vacinadas, diz estudo Jefferson Botega / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Jefferson Botega / Agencia RBS / Agencia RBS
GZH
GZH

 Apesar de terem se mostrado eficazes em ensaios clínicos e efetivas fora deles, as vacinas contra a covid-19 ainda não previnem 100% dos casos da doença. Para compreender quais são os fatores de risco e como a infecção se apresenta em pessoas vacinadas, um estudo britânico reuniu informações de mais de um milhão de pessoas a partir dos 18 anos. 

De acordo com os dados publicados na revista The Lancet na quarta-feira (1º), de 8 de dezembro de 2020 a 4 de julho deste ano, mais de 1,2 milhão de usuários do aplicativo COVID Symptom Study afirmaram ter recebido pelo menos uma dose das vacinas contra a covid-19 utilizadas no país — Pfizer, AstraZeneca e Moderna. Dessas, 6.030 testaram positivo para a doença. Com a segunda dose, foram 971.504 usuários, dos quais 2.370 foram infectados. 

No que diz respeito às características da doença, os pesquisadores observaram que a vacinação, quando comparada com a não-imunização, reduziu as chances de hospitalização ou de terem mais de cinco sinais da doença na primeira semana de infeção. 

Além disso, os dados evidenciaram que pessoas imunizadas eram mais propensas a serem completamente assintomáticas, especialmente, se tivessem 60 anos ou mais. 

Ao analisarem os fatores de risco, foi identificada uma maior fragilidade à infecção depois da primeira dose em indivíduos com 60 anos ou mais, e também naqueles que vivem em áreas extremamente carentes. Por outro lado, pessoas não obesas tiveram chance diminuída de infecção depois de terem uma dose da vacina. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros