Prefeitura de Porto Alegre realiza testes para a revitalização do Viaduto da Borges - Notícias

Versão mobile

 
 

Renovação a caminho16/09/2021 | 09h45Atualizada em 16/09/2021 | 09h53

Prefeitura de Porto Alegre realiza testes para a revitalização do Viaduto da Borges

Segundo o Executivo municipal, obra começa oficialmente na quinta-feira (16)

Prefeitura de Porto Alegre realiza testes para a revitalização do Viaduto da Borges Félix Zucco / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS / Agencia RBS

A prefeitura de Porto Alegre realizou testes nesta quarta-feira (15) para a pintura do Viaduto Otávio Rocha, na Avenida Borges de Medeiros. A obra faz parte do programa Centro+, que agrupa medidas para revitalizar a área central da Capital.

Conforme a Secretaria Municipal de Planejamento e Assuntos Estratégicos (SMPAE), a revitalização começa oficialmente na quinta-feira (16), e o que foi visto nesta quarta é apenas um teste das tintas que poderão ser usadas pelas equipes. O Executivo municipal não dá mais detalhes sobre a obra, mas garante que o trabalho abrange mais do que a pintura da estrutura. A reforma do monumento é uma das obras prioritárias do governo de Sebastião Melo, ao lado de intervenções na Usina do Gasômetro e no Mercado Público, por exemplo.

Há cerca de um mês, durante entrevista à Rádio Gaúcha, Melo prometeu que a revitalização do viaduto seria feita até o fim do mandato dele. Na ocasião, o prefeito afirmou que o Executivo trabalhava na arrecadação do valor necessário para as obras.

Leia mais
Alunos fazem rapel no Centro Administrativo durante treinamento do Corpo de Bombeiros
Prefeitura de Porto Alegre prevê primeiro empréstimo de programa de crédito com juro zero em 45 dias
Paulo Germano: a escandalosa reforma da Usina do Gasômetro, que custará 70% a mais do que o orçado

— O viaduto será revitalizado na minha gestão. O que posso dizer é que há uma luz no fim do túnel — disse.

Segundo Adacir Flores, presidente da Associação Representativa Cultural dos Comerciantes do Viaduto Otávio Rocha, estruturas de esgoto e eletricidade são problemáticas há anos, assim como infiltrações nas calçadas e a insegurança, especialmente à noite e em dias chuvosos, quando há menos movimento. 

Dono de um sebo no local, ele afirma que os permissionários desenvolveram, ao lado de arquitetos, universidades e moradores da região, um projeto de reestruturação e humanização do monumento. Conforme Flores, a ideia — que começou a ser desenvolvida em 2005 e foi apresentada na Câmara Municipal em 2016 — chegou a ser apresentada ao prefeito Melo e ao secretário de Planejamento e Assuntos Estratégicos, Cezar Schirmer, há cerca de 20 dias, mas que "tudo indica não estar havendo inclusão social na obra":

— Nós queremos ser parceiros da prefeitura, mas lamentamos que nem nos comunicaram sobre a pintura. Nos sentimos isolados como permissionários, como cidadãos. Esperamos que, com o andar da carruagem, consigamos chegar a um acordo, a algo que valorize o patrimônio imaterial e mantenha a identidade do sapateiro, do artista plástico, do vendedor de livros e dos cidadãos que têm, no viaduto, sua vida.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros