Família de Gravataí busca ajuda para consertar cadeira de rodas - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso13/10/2021 | 09h00Atualizada em 13/10/2021 | 09h00

Família de Gravataí busca ajuda para consertar cadeira de rodas

O equipamento, que não está disponível pelo SUS, apresenta falhas elétricas que afetam a autonomia de Angelo

Família de Gravataí busca ajuda para consertar cadeira de rodas Rprodução / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Equipamento em boas condições garante a autonomia do estudante. Foto: Rprodução / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

A família do estudante de Letras Angelo Abrão Gonçalves Mello, 20 anos, morador de Gravataí, está se mobilizando para conseguir recursos financeiros que possibilitem consertar a cadeira de rodas elétrica utilizada pelo jovem. O equipamento, que não está disponível pelo SUS, apresenta falhas elétricas que afetam a autonomia de Angelo. 

Em 2018, o Diário Gaúcho contou a história da família, que fez uma campanha para conseguir comprar a cadeira. 

– Precisamos trocar a bateria dela e fazer alguns outros reparos – explica a dona de casa Carina da Silva Gonçalves, 39 anos, mãe de Angelo. 

O jovem nasceu com uma má formação chamada artrogripose múltipla congênita, que causa limitações em todas as suas articulações. Assim, ele precisa de ajuda e cuidado para a maioria das atividades do seu dia a dia.

Leia mais
Há sete anos, moradores cobram manutenção de rua em São Leopoldo
Ong em São Leopoldo planeja construir sede
Em Viamão, faltam abrigos nas paradas da zona rural

Segundo a família, somente o custo da bateria é de R$ 1,3 mil. Além disso, há o custo da manutenção que deve ser feita em uma autorizada. De acordo com o orçamento, será preciso cerca de R$ 5 mil para que todos os reparos sejam providenciados. Atualmente, a família organizou uma vaquinha online, que ficará no ar até dezembro deste ano ou até a meta ser atingida, e já conseguiu 25% do valor. Além disso, cartazes contando a história de Angelo foram espalhados por comércios da cidade. 

A família de Angelo Abrão Gonçalves Mello criou uma vaquinha para que eles possam consertar a cadeira de rodas elétrica que ele utiliza para se locomover.<!-- NICAID(14907724) -->
Angelo com a mãe, Carina.Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal

Desgaste natural

Carina explica que a vaquinha se faz necessária porque atualmente ela está desempregada. Além disso, o único recurso financeiro vem do benefício continuado que Angelo recebe do INSS. 

– Somos uma família de baixa renda. Agora, não temos condições de pagar esse valor – justifica.

De acordo com a família, essa pane no sistema elétrico pode ser explicada devido ao desgaste natural do equipamento. Desde que foi comprada, a cadeira de rodas é utilizada diariamente. O equipamento começou a apresentar problemas há cerca de três meses. De acordo com o estudante, normalmente, ela ficaria carregando por oito horas e proporcionaria uma autonomia de até 14 quilômetros.

– O carregador está apresentando problemas. Ele não mostra mais o quanto está carregado. A gente nunca sabe se a cadeira vai parar de funcionar na metade do caminho – explica Angelo.

Além disso, qualquer obstáculo ou buraco na rua faz com que a cadeira se desligue. A rotina do jovem está bastante comprometida devido ao problema. Ele tem passado muito mais tempo em casa. Atividades como visitar amigos ou ir à faculdade não podem ser feitas sem o acompanhamento da mãe.

Saiba como ajudar
/// Doe qualquer valor através da vaquinha que está disponível no link vaka.me/2357192.

Produção: Kênia Fialho


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros