Magali Moraes: frescobol com rede - Notícias

Versão mobile

 
 

Coluna da Maga29/10/2021 | 09h00Atualizada em 29/10/2021 | 09h00

Magali Moraes: frescobol com rede

Colunista escreve às segundas e sextas-feiras no Diário Gaúcho

Magali Moraes: frescobol com rede Fernando Gomes/Agencia RBS
Magali Moraes Foto: Fernando Gomes / Agencia RBS

Foi o que pensei quando comecei a jogar beach tennis. O tal tênis de praia é frescobol com rede! E todo mundo já jogou frescobol uma vez na vida. Deixa eu fazer outra comparação que facilita: frescobol é tipo portunhol, a gente arranha alguma coisa. Beach tennis tem uma rede entre os jogadores, o resto é igual. Fingi que não ouvi a frase "a pontuação é como o tênis", já que não faço ideia de como se soma pontos. Foi com esse espírito confiante que entrei na quadra, disposta a me divertir.

Sabe quando a barriga dói de tanto rir? A barriga da perna dói mais ainda. É que no beach tennis a quadra é de areia. Diferente do frescobol, que dá pra escolher se quer jogar na areia dura ou molhada, no beach tennis a única opção é afundar na areia fofa. Da metade do jogo pro fim, aquilo parece areia movediça. Você pensa que vai correr pra pegar a bola, mas a areia te segura no mesmo lugar. Falei que a gente vai se tornando um nuggets humano, revestida de farinha-areia? Bem assim. 

Leia outras colunas da Maga

Força

Também descobri a sensação do braço sendo arrancado pra fora nas tentativas de alcançar bola alta. Regular a força é outra coisa difícil. A gente acha que tá jogando pra lá e a bola vai pra cá. Direção errada, e não é o vento. O coração sai pela boca o tempo todo, a dor atrás das pernas é crescente. Mas posso te dizer? Me diverti tanto que quero mais. Saí da quadra demolida e super feliz. Achei que não levantaria da cama no dia seguinte, e percebi o benefício das caminhadas diárias. 

Essa coluna não é sobre beach tennis, muito menos frescobol. É sobre fazer algo novo pela primeira vez. Dizer sim pra novas experiências, por que não? A vida é muito curta pra gente fazer as mesmas coisas de sempre. Podemos arriscar um pouquinho, experimentar o diferente sem medo ou vergonha. Quando foi a última vez que você teve essa sensação? Se permita, se desafie, se provoque, se descubra uma nova pessoa. Somos muitas possibilidades.


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros