Secretaria da Saúde do RS emite alerta para surto de doença que causa diarreia aguda - Notícias

Versão mobile

 
 

Atenção08/10/2021 | 14h49Atualizada em 08/10/2021 | 14h49

Secretaria da Saúde do RS emite alerta para surto de doença que causa diarreia aguda

Nota da Vigilância Epidemiológica cita casos em 25 cidades de diversas regiões

Secretaria da Saúde do RS emite alerta para surto de doença que causa diarreia aguda Pornchai Soda / stock.adobe.com/stock.adobe.com
Foto: Pornchai Soda / stock.adobe.com / stock.adobe.com

A Secretaria Estadual da Saúde emitiu nesta quinta-feira (7) alerta para surto da doença diarreica aguda, que afeta 25 cidades gaúchas. A doença gastrointestinal tem como principal sintoma a diarreia, que pode ser acompanhada de dor abdominal, náusea, vômito e febre.

Segundo a nota, os surtos da doença foram identificados desde o final de agosto e, em algumas cidades, têm como agente causador o norovírus. Uma investigação busca determinar a causa do surto em outros municípios, segundo a Vigilância Epidemiológica. 

A transmissão da doença se dá, principalmente, através do consumo de água ou alimentos contaminados. No caso do norovírus, ela ainda pode ocorrer através de contato com superfícies contaminadas. 

Leia mais
Porto Alegre retoma segunda dose de AstraZeneca em 36 pontos nesta sexta-feira
Johnson & Johnson pede nos EUA autorização para dose de reforço de vacina

As cidades que estão no alerta são Dois Irmãos, Esteio, Morro Reuter, Porto Alegre, Bento Gonçalves, Nova Prata, Carlos Barbosa, Garibaldi, Monte Belo do Sul, Caxias do Sul, São Marcos, Pinto Bandeira, Santa Maria, Lavras do Sul, Colorado, Saldanha Marinho, Santana do Livramento, Santa Cruz do Sul, Mato Leitão, Horizontina, Tucunduva, Santa Rosa, Santo Cristo, Barra Funda e Sarandi.

O alerta traz recomendações para profissionais de saúde, escolas e creches. A secretaria indica que a população deve consumir apenas água de fontes confiáveis, e buscar sempre a higiene das mãos, bem como lavar alimentos e utensílios.

Creches e escolas que preparam refeições devem guardar amostras, de 100g ou 100 ml, de todos os alimentos preparados, incluindo bebidas, em embalagens apropriadas para alimentos, de primeiro uso, identificadas com, no mínimo, a denominação e data da preparação, armazenadas por 72 horas sob refrigeração, em temperatura inferior a 5 ºC. Caso algum aluno apresente sintomas, deve ser isolado dos demais. É recomendado ainda repouso e ingestão de líquidos, para evitar desnutrição.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros